Procuradoria denuncia Henrique Alves, Eduardo Cunha e Funaro

Procuradoria denuncia Henrique Alves, Eduardo Cunha e Funaro

Procuradores da República no Rio Grande do Norte acusam peemedebistas de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa

Luiz Vassallo

29 Novembro 2017 | 16h19

Henrique Alves e Eduardo Cunha. Foto: Ed Ferreira/Estadão

A Procuradoria da República no Rio Grande do Norte denunciou o os ex-presidentes da Câmara Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) e Eduardo Cunha (PMDB-RJ) pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa. A acusação é embasada, entre outras provas, nos acordos de delação do doleiro Lúcio Funaro, também denunciado, e do empresário Fred Queiroz.

+ Em três anos, Funaro repassou R$ 6,3 milhões a Henrique Alves, diz PF

Ligado ao peemedebista, Fred chegou a ser preso na Operação Manus, deflagrada no Rio Grande do Norte para apurar fraudes de R$ 77 milhões na construção da Arena das Dunas.

+ Henrique Alves e Eduardo Cunha juntos no banco dos réus por propina na Arena das Dunas

Fred Queiroz confessou ter operado R$ 11 milhões em caixa dois para a campanha de Henrique Alves em 2014, ao governo potiguar.

Ele relatou ter buscado R$ 7 milhões, ainda no primeiro turno, das mãos de um emissário, que teria levado, em um avião, o montante em dinheiro vivo.

Em delação premiada, Lúcio Funaro disse ser o emissário que levou o dinheiro para a campanha de Henrique Alves.

Em ação da PF no Rio Grande do Norte, o peemedebista foi preso preventivamente no dia 6 de junho – ele é investigado por desvios nas obras do estádio e, em Brasília, é alvo da Operação Sépsis, por supostas irregularidades na Caixa Econômica Federal. A representação também foi protocolada contra Eduardo Cunha, que já estava preso desde outubro de 2016.

COM A PALAVRA, HENRIQUE ALVES

A reportagem entrou em contato com a defesa. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO DÉLIO LINS E SILVA JÚNIOR, QUE DEFENDE EDUARDO CUNHA

“A denúncia é aventureira, baseada exclusivamente na palavra de um delator já conhecido por suas inúmeras mentiras, além de já estar abarcada por uma ação penal da décima vara”