Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Politica » Procuradoria acusa diretor da Infraero por ‘conflito de interesses’

Política

Procuradoria acusa diretor da Infraero por ‘conflito de interesses’

Politica

INFRAERO

Procuradoria acusa diretor da Infraero por ‘conflito de interesses’

João Márcio Jordão, da área de Operações, se afastou para atuar em uma empresa privada contratada pela estataI

Mateus Coutinho e Alessandra Azevedo, especial para o 'Estado'

06 Maio 2016 | 04h30

João Márcio Jordão. Foto: Reprodução

João Márcio Jordão. Foto: Reprodução

O Ministério Público Federal em São Paulo entrou com ação de improbidade administrativa contra o diretor de aeroportos da Infraero João Márcio Jordão. Ele é acusado de conflito de interesses ao se afastar da estatal para atuar em uma empresa privada e, nesta empresa, fechar um contrato com a Infraero.

As informações foram divulgadas no site do Ministério Público Federal nesta quinta-feira, 5.

Na ação civil movida pelo procurador da República José Roberto Pimenta Oliveira, a Procuradoria pede que a Jordão seja imposta a perda do cargo, pagamento de multa de 100 vezes sua remuneração (total em torno de R$ 3,6 milhões), seja proibido de contratar com o poder público por três anos e tenha seus direitos políticos suspensos pelo período de cinco anos.

Segundo a Procuradoria, em fevereiro de 2014, quando ocupava o cargo de diretor de Operações da Infraero, Jordão solicitou a suspensão de seu contrato com a empresa estatal por dois anos, para exercer os cargos de diretor nas empresas privadas Pimenta Verde Alimentação e International Meal Company Alimentação S/A, ambas do mesmo grupo empresarial. Durante a permanência de João Márcio como funcionário destas empresas, elas participaram de processos licitatórios para a concessão de áreas comerciais no aeroporto de Congonhas, e, de acordo com o MPF, só não venceram os pregões porque foram desqualificadas por terem um empregado licenciado da Infraero.

No mesmo período, porém, a Procuradoria aponta que enquanto Jordão prestava serviços às empresas privadas, a Infraero firmou um contrato sem licitação com a empresa Catering Ltda (que também faz parte do grupo empresarial da Internacional Meal) para concessão de uso de área destinada a apoio aos serviços de comissaria de bordo. O contrato, que foi assinado pelo próprio João Márcio como representante da empresa, foi feito através de processo de inexibilidade de licitação e ainda está em vigência.

A Procuradoria aponta ‘conflito de interesses’. “A lei 12.813/13, denominada Lei de Conflito de Interesses (LCI), determina que estará cometendo um ato de improbidade o servidor público que, mesmo afastado de seu cargo, exercer atividade que implique a prestação de serviços ou a manutenção de relação de negócio com pessoa física ou jurídica que tenha interesse em decisão do próprio agente público ou de colegiado de que ele participe.”

“Ao assumir o cargo de diretor no grupo International Meal, assim que suspendeu seu contrato de trabalho com a Infraero, Jordão teria cometido o crime, já que, como parte da diretoria da empresa pública, tinha acesso a informações privilegiadas, inclusive quanto à realização de licitações de interesse das empresas privadas que veio a prestar serviços.

Chamou a atenção da Procuradoria que, “mesmo em flagrante situação de conflito de interesses”, Jordão assinou, como representante da International Meal, um contrato com a Infraero. Além disso, ele também teria desrespeitado o Código de Ética da empresa pública, pois, durante o período que ainda ocupava o cargo de diretor de operações da Infraero, já negociava com empresas privadas sua contratação.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato