Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Politica » Procurador-geral arquiva inquérito contra Chalita

Política

Procurador-geral arquiva inquérito contra Chalita

Procurador-geral arquiva inquérito contra Chalita

Rodrigo Janot diz que ‘medida se impõe, por ausência de provas’

faustomacedo

29 Agosto 2014 | 05h00

O procurador geral da República Rodrigo Janot requereu arquivamento da investigação sobre supostos crimes contra a administração pública e recebimento de vantagens atribuídas ao deputado Gabriel Chalita (PMDB-SP) em sua gestão como secretário da Educação do governo do tucano Geraldo Alckmin (2003-2007). O arquivamento, diz Janot, “é medida que se impõe, por ausência de provas”. Ele argumentou que o analista de sistemas Roberto Grobman, acusador de Chalita, nunca foi localizado para depor, nem apresentou provas que alegou possuir.

A manifestação do procurador geral, em 9 páginas, foi encaminhada ao ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, relator do caso.

Inquérito sobre Gabriel Chalita foi arquivado. Paulo Gianlalia/Estadão

Inquérito sobre Gabriel Chalita foi arquivado. Paulo Gianlalia/Estadão

Em meio à investigação, Teori não autorizou a quebra do sigilo bancário e fiscal de duas empresas de tecnologia e nem de Márcia Cristina Alvim, ex-assessora de Chalita. “Não se mostram presentes as condições autorizadoras da quebra de sigilo requerida. As diligências até aqui produzidas, somando-se os inquéritos civis já arquivados, ao invés de reforçarem as suspeitas de crime acabaram por enfraquece-las”, advertiu o ministro.

Grobman imputou a Chalita uso de helicópteros de empresas que mantinham contratos com a Secretaria, doação de computadores e outros bens; cobrança de 25% sobre o valor de contratos da Pasta; favorecimento de editoras; recebimento de propina de um empresário da área educacional que teria custeado a automação de seu apartamento em São Paulo.

No entanto, 7 testemunhas desmontaram a acusação. Márcia Alvim afirmou desconhecer “qualquer envolvimento do então secretário da Educação Gabriel Chalita relacionado às licitações”. A ex-assessora disse que “nunca recebeu qualquer propina ou valores ilegais para si ou para ser repassado a Chalita”.

O então secretário adjunto, Paulo Alexandre Barbosa, foi categórico. Ele disse que “jamais presenciou qualquer tipo de intervenção (de Chalita) em procedimentos licitatórios”.

Luciano Pereira Barbosa, ex-assessor de Chalita na Educação, enfatizou que o então secretário “não participava das licitações e não indicava nenhuma empresa”.

“O acervo probatório não foi capaz de demonstrar a autoria e a materialidade dos delitos, desautorizando o prosseguimento das investigações”, cravou o procurador geral, que não identificou falhas em ampla documentação relativa a contratos da administração Chalita, que não é candidato à reeleição.

Em outra área de investigação, na Promotoria de Defesa do Patrimônio Público, braço do Ministério Público de São Paulo que rastreia improbidade e corrupção, promotores já arquivaram 10 inquéritos civis contra Chalita.
Restam apenas 3 investigações, que versam sobre os fatos que Rodrigo Janot já investigou – também nesses autos, o delator não juntou nenhuma prova.

“Não há qualquer indício de irregularidade”, assinalou o promotor de Justiça Marcelo Milani, ao arquivar o inquérito civil 1043. “O representante (Roberto Grobman) não apresentou nenhuma prova ou indício de veracidade de suas alegações.”

“Elementos de prova escassos, não comprovação de ilicitudes”, destacou o promotor de Justiça Valter Santin, ao arquivar o inquérito civil 1048.

“Sem embargo das seguidas oportunidades, com a própria extrapolação dos prazos procedimentais, o autor da delação não conseguiu indicar o negócio em que ocorrera fraude nem precisar como esta fora praticada”, anotou o promotor de Justiça Marcelo Daneluzzi, ao arquivar o inquérito civil 1050.

O advogado Alexandre de Moraes, que representa Gabriel Chalita, declarou. “O absurdo das alegações foi reconhecido pelo procurador geral da República e por diversos Promotores de São Paulo, nos inúmeros arquivamentos. Após quase dois anos de intensas investigações ficou demonstrada a absoluta honestidade da gestão de Gabriel Chalita na Secretaria de Educação.”

LEIA A INTEGRA DA MANIFESTAÇÃO DO PROCURADOR GERAL DA REPÚBLICA PELO ARQUIVAMENTO DA INVESTIGAÇÃO SOBRE GABRIEL CHALITA

pag1 pag2 pag3 pag5 pag6 pag7 pag8 pag9

Encontrou algum erro? Entre em contato

Mais conteúdo sobre: