Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Politica » Procurador diz que dano ao erário ‘ou’ enriquecimento ilícito autorizam inelegibilidade

Política

Procurador diz que dano ao erário ‘ou’ enriquecimento ilícito autorizam inelegibilidade

Procurador diz que dano ao erário ‘ou’ enriquecimento ilícito autorizam inelegibilidade

Em memorial ao TSE, Nicolao Dino, vice-procurador-geral Eleitoral defende revisão de posicionamento da Corte 'pois não se há de exigir a presença concomitante dos elementos'

0

Fabio Serapião, de Brasília

06 Outubro 2016 | 05h10

O coordenador da 5ª Câmara de Coordenação e Revisão,e subprocurador-geral da República, Nicolao Dino, apresenta propostas do Ministério Público Federal para o Combate à Corrupção (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Nicolao Dino. Foto:  Marcelo Camargo/Agência Brasil

O vice-procurador-geral Eleitoral Nicolao Dino afirmou, em memorial ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que ato doloso de improbidade administrativa que provoca dano ao patrimônio público ou o enriquecimento ilícito em favor de agente público ou de terceiro, provoca inelegibilidade.

Documento

Documento

A manifestação de Nicolao Dino foi apresentada no âmbito de Recurso Especial Eleitoral em curso na Corte.

O memorial de Nicolao Dino é um alerta para os riscos de uma interpretação da Lei Complemetar 64/90, a Lei de Inelegibilidade, segundo a qual os dois atos ilícitos devem ser concomitantes – dano ao erário e enriquecimento ilícito – para barrar um político que tem a ficha suja.

A discussão central é saber se a inelegibilidade prevista no artigo 1° da Lei Complementar 64/90 exige, para sua configuração, que a condenação por ato doloso de improbidade administrativa tenha gerado, concomitantemente, dano ao patrimônio público e enriquecimento ilícito, ou se é suficiente apenas um desses elementos.

“Curial é a revisão do posicionamento jurisprudencial do Tribunal Superior Eleitoral, pois não se há de exigir a presença concomitante dos elementos ‘dano ao erário’ e ‘enriquecimento ilícito’, para incidência da inelegibilidade.

Na avaliação de Nicolao Dino, ‘a interpretação literal da alínea ‘l’ do inciso I do artigo 1º da Lei Complementar 64/90 leva ao entendimento equivocado de que somente há inelegibilidade quando o ato doloso de improbidade administrativa enseja simultaneamente dano ao erário e enriquecimento ilícito’.

“O equívoco interpretativo parte da falsa ideia de que o silogismo disjuntivo só poderia vir representado pelo uso da partícula ‘ou'”. alerta o vice-procurador-geral Eleitoral. “Pior: que o uso da partícula ‘e’ implicaria sempre e necessariamente uma ideia de concomitância.”

“Vale dizer, uma ou outra são suficientes para atrair a inelegibilidade”, crava Nicolao Dino ao pedir desprovimento do recurso especial.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentarios