Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Politica » Procurador diz que Conselho do MP não pode interferir nas funções dos promotores que investigam Lula

Política

Procurador diz que Conselho do MP não pode interferir nas funções dos promotores que investigam Lula

Politica

ELIAS ROSA

Procurador diz que Conselho do MP não pode interferir nas funções dos promotores que investigam Lula

Elias Rosa sai em defesa dos promotores criminais de São Paulo e critica liminar que suspendeu depoimento do ex-presidente no inquérito do tríplex do Guarujá

0

Fausto Macedo e Mateus Coutinho

17 Fevereiro 2016 | 12h06

montagemeliaslula

O ex-presidente Lula e o procurador-geral de Justiça de São Paulo, Márcio Fernando Elias Rosa. Foto: Estadão

O procurador-geral de Justiça de São Paulo Márcio Fernando Elias Rosa, defendeu nesta quarta-feira, 17, a atuação dos promotores que investigam o ex-presidente Lula. Ele alertou que a Constituição não autoriza o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) a interferir nas ‘funções de execução’ dos promotores de Justiça.

Na noite desta terça-feira, 16, uma liminar do Conselho suspendeu o depoimento de Lula e da ex-primeira dama, Marisa Letícia, marcado pela Promotoria criminal.

Lula e Marisa Letícia haviam sido intimados para depor no inquérito sobre o tríplex do Condomínio Solaris, no Guarujá, que o petista nega ser o dono. Para o promotor Cássio Conserino, que integra a equipe do Ministério Público que investiga o apartamento, há indícios de lavagem de dinheiro pela ocultação da identidade do seu real proprietário.

[veja_tambem]

Em nota pública, Elias Rosa disse que ‘confia nos acertos da atuação dos promotores’. Ele reprovou a liminar do Conselho Nacional do Ministério Público que suspendeu ‘ato designado em procedimento investigatório criminal erm caso que ganhou notoriedade pública, por envolver, dentre outros, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva’.

O chefe do Ministério Público paulista disse que os promotores que investigam Lula ‘contam com o irrestrito apoio desta Procuradoria-Geral de Justiça para a defesa das suas prerrogativas e atribuições’.
O Conselho Nacional do Ministério Público foi criado em 2004, por emenda à Constituição, com a atribuição de fiscalizar os Ministérios Públicos em todo o País e em todos os seus níveis e instâncias.

“A Constituição, ao reservar ao Conselho Nacional do Ministério Público, o controle externo quanto à atividade administrativa do Ministério Público, exclui de seu âmbito a interferência nas funções de execução, entendimento já consolidado no âmbito daquele próprio Colegiado”, advertiu Elias Rosa.

“A atuação do Ministério Público é pautada pelos rigores impostos pela Constituição e pelas leis, não comportando ressalvas ao já reconhecido poder de investigação criminal, como pilar fundamental para a consolidação do Estado Democrático de Direito.”

O procurador-geral destacou que os promotores têm caminho livre para prosseguir com a investigação sobre o apartamento atribuído a Lula. “De modo transparente, objetivo e técnico, prosseguirá o Ministério Público no cumprimento das suas graves responsabilidades, aguardando a ciência da decisão referida e a deliberação colegiada do próprio Conselho sobre o tema, sem prejuízo das outras providências que se mostrarem necessárias.”

Mais conteúdo sobre:

Comentários