Polícia quer investigar prefeito que tentou comprar vaga de delegado para a mulher

Polícia quer investigar prefeito que tentou comprar vaga de delegado para a mulher

Investigadores da Operação Porta Fechada vão pedir autorização ao Tribunal de Justiça de Goiás para conduzir inquérito contra Dr Ailton (PR), do município de Urutaí, envolvido em esquema de fraudes em concursos públicos no Estado

Julia Affonso

30 Novembro 2017 | 05h15

Dr. Ailton. Foto: Prefeitura de Urutaí

A Polícia Civil de Goiás informou em relatório da Operação Porta Fechada que vai pedir autorização ao Tribunal de Justiça do Estado para investigar o prefeito de Urutaí, Dr. Ailton (PR). Segundo o documento, o chefe do Executivo do município goiano de três mil habitantes, confessou ter tentado comprar uma vaga de delegado para a mulher. A Polícia indiciou 30 investigados no caso.

“O cônjuge da candidata Bianca Soares de Oliveira e Oliveira, Ailton Martins de Oliveira, por ocupar o cargo de prefeito, detentor de foro privilegiado, não foi indiciado. Em virtude disso, oficiaremos o Tribunal de Justiça do Estado de Goiás solicitando autorização para instauração de inquérito policial a fim de apurar a sua responsabilidade criminal”, registrou a Polícia.

Polícia quer autorização para investigar relator do impeachment de Dilma em esquema de fraude em concurso

De acordo com o documento, a mulher do prefeito também confessou que Dr. Ailton ‘comprou a vaga no concurso’. Por um desentendimento, no entanto, ela ‘deixou de participar do esquema e não foi aprovada, apesar de parte do pagamento ter se consumado através da emissão de dois cheques’.

MAIS PORTA FECHADA: + Estudante da Medicina diz à Polícia que concluiu redação do Enem em posto de gasolina

Mulher deu casa de R$ 800 mil por vaga em concurso de delegado e Enem para filha, diz Polícia

Polícia identifica 18 estudantes em agenda de fraudador do Enem/16

+ ASSISTA: Vídeo de sala-cofre flagra fraudador de concursos para delegado trocando cartões-resposta

À Polícia, afirma o relatório, o prefeito apontou que um vendedor de vagas ‘lhe ofereceu a vaga no concurso de Delegado de Polícia pelo valor de R$ 250 mil, sendo que a metade desse valor deveria ser paga antes da prova e o restante após a aprovação’. Dr Ailton, diz a Polícia, deu dois cheques, um no valor de R$ 75 mil e outro de R$ 50 mil.

“Ocorre que Gabriel (indiciado por venda de vaga) solicitou a Ailton e Bianca que se encontrassem com a pessoa de Ronaldo no dia da prova objetiva para receber informações sobre a fraude. Na oportunidade, Ailton e Bianca se deslocaram até uma lanchonete em Goiânia, onde conheceram a pessoa de Ronaldo. Durante o encontro, Ronaldo disse à candidata Bianca para preencher apenas dez questões na folha de respostas e, em seguida, passou a exigir a emissão de outro cheque como garantia do restante do pagamento”, afirma o relatório.

“Como tal exigência não estava previamente acordada, houve um desacordo entre as partes, motivo pelo qual Bianca não foi inserida na fraude e nem aprovada. Ailton e Bianca fizeram o reconhecimento fotográfico de Ronaldo Rabelo de Souza
como sendo a pessoa com a qual se encontraram no dia da prova do concurso de Delegado de Polícia.”

O relatório aponta que o prefeito declarou que, após a não aprovação de sua mulher, o vendedor de vagas ‘lhe ofereceu uma casa em garantia à restituição do valor pago’. Segundo a Polícia, o imóvel foi identificado. Os proprietários foram intimados e, de acordo com o documento, confessaram deram o bem a um vendedora de vagas ‘em pagamento à aprovação no Enem do seu filho’ em 2016.

COM A PALAVRA, O PREFEITO AILTON

O secretário de Comunicação de Urutaí, que se identifica pelo nome de Anicelson, informou que não poderia passar o telefone e nem o e-mail do prefeito. Disse ainda que não caberia à sua ‘alçada’ pedir um posicionamento sobre o caso ao prefeito.

“Eu só levo ao ar, à parte de Comunicação, só coisas boas. Eu não sei o que ele fez, o que que ele ia fazer, né? Isso é só com ele mesmo”, afirmou.

“Isso é só com ele, isso é sigilo”, insistiu.