Polícia indicia ex-vereador petista que empurrou empresário contra caminhão

Manoel Eduardo Marinho, o 'Maninho', e seu filho, Leandro, foram enquadrados por lesão corporal dolosa; vítima, Carlos Alberto Bettoni, está internada

Luiz Vassallo e Fausto Macedo

09 Abril 2018 | 22h32

A Polícia Civil de São Paulo indiciou o ex-vereador do PT de Diadema Manoel Eduardo Marinho, o ‘Maninho’, e seu filho, Leandro Marinho, por agressão contra o empresário Carlos Alberto Bettoni, de 56 anos.

‘Maninho’ e o filho foram flagrados por reportagem da Rede Globo, em vídeo, na quinta-feira, 5, em frente o Instituto Lula, no bairro do Ipiranga, empurrando Bettoni várias vezes até o empresário cair na rua e bater com a cabeça no para-choque de um caminhão.

Bettoni ficou desacordado, sangrando, até ser socorrido. Ele sofreu traumatismo craniano e está internado.

O caso é investigado pelo delegado Wilson Zampieri, do 17.º Distrito Policial.

‘Maninho’ foi vereador pelo PT em Diadema por cinco mandatos. Ele tentou a prefeitura da cidade, mas não se elegeu. O político e o filho prestaram depoimento, na tarde desta segunda-feira, 9, e foram indiciados por lesão corporal dolosa.

Na noite de quinta-feira, 5, pai e filho foram ao Instituto após a divulgação da ordem de prisão expedida pelo juiz Sérgio Moro contra o ex-presidente Lula, condenado a 12 anos e um mês de reclusão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no processo do triplex do Guarujá. Os dois saíram do Instituto quando houve um tumulto. ‘Maninho’ e o filho empurraram o empresário.

A Secretaria de Segurança Pública informou que as investigações ainda prosseguem.

COM A PALAVRA ADVOGADA PATRÍCIA CAVALCANTI, QUE DEFENDE ‘MANINHO’ E O FILHO

“O senhor Manoel Eduardo e o Leandro não são o pessoas dadas a essa situação, mas a ocasião que se vivia ali, eles saíam de uma reunião onde estava sendo definida a entrega do ex-presidente Lula.”

“Então eles sairam com os nervos já um pouco acalorados, se depararam com esse grupo, esse grupo começou a desferir xingamentos, ofensas, e foi um momento em que esse senhor (Carlos Alberto Bettoni), além de xingar, falou ‘volte aqui que eu vou dar na sua cara’.”

“Teve essa ação, houve uma reação. Foi esse o ocorrido, foi esse fato que desaguou na fatalidade. Em nenhum momento houve a intenção de dolo real. Foi mais um momento de falar: ‘respeite nosso território’. Porque por mais que não concorde tem que respeitar, porque existe esse ícone.”

“Porque o Instituto Lula é isso, para as pessoas partidárias o Instituto Lula é esse ícone da personificação do que o ex-presidente representou para o Brasil. Eles deveriam ter tido mais cuidado e cautela, as pessoas que foram provocar. Enfim, foi isso que ocasionou tudo isso.”

“Tanto Eduardo (‘Maninho’) como o Leandro lamentam os fatos porque foi uma fatalidade. Não há uma justificativa para violência.”