Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Politica » Polícia Federal cita Serra como ‘investigado’ no cartel dos trens

Política

Polícia Federal cita Serra como ‘investigado’ no cartel dos trens

Polícia Federal cita Serra como ‘investigado’ no cartel dos trens

Ao chamar ex-governador para depor, delegado lista outros 27 'investigados'

Redação

29 Agosto 2014 | 05h00

Fausto Macedo e Ricardo Chapola

A Polícia Federal classificou o ex-governador José Serra (PSDB) de “investigado” no caso do cartel dos trens. Ao solicitar “ordem de missão” a fim de intimar 28 pessoas, o delegado Milton Fornazari Junior, que preside o inquérito sobre suposto conluio de multinacionais em contratos do Metrô de São Paulo e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), incluiu o tucano no rol de “investigados”.

É a primeira vez que a PF confere esse rótulo a Serra desde que deu início ao rastreamento sobre suposto ajuste entre as empresas.

A expressão “investigado” consta do memorando 8793/2014, datado de 5 de agosto e embutido nos autos do inquérito 0099/2014-11, da Delegacia de Combate a Ilícitos Financeiros (Delefin). Anteriormente, nunca a PF tinha feito esse tipo de menção ao tucano.

O mesmo documento chama de “investigados” outras 27 pessoas, incluindo dirigentes e ex-diretores do Metrô e da CPTM e executivos de empresas supostamente envolvidas com o cartel no setor metroferroviário.

Segundo acordo de leniência firmado pela Siemens com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), em maio de 2013, o cartel atuou no período entre 1998 e 2008, em São Paulo, durante os governos tucanos de Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin, e no Distrito Federal, na gestão José Roberto Arruda (ex-DEM).

Serra governou São Paulo entre 2007 e 2010. Ele foi intimado para depor em 7 de outubro, dois dias depois do primeiro turno das eleições – Serra é candidato ao Senado e lidera as pesquisas de intenção de voto. A PF o chamou porque um ex-executivo da Siemens, Nelson Marchetti, sugeriu que ele teria intercedido em favor da espanhola CAF em concorrência internacional para aquisição de 384 carros pela CPTM, entre 2007 e 2009.

A Procuradoria-Geral de Justiça de São Paulo já arquivou investigação de âmbito civil sobre esses fatos. No capítulo sobre a concorrência internacional para aquisição dos vagões pela CPTM, a PF transcreve e-mails que “tratam de assunto referente à visita do ex-governador José Serra a Amsterdã/Holanda”. Uma correspondência, de março de 2008, revela a preocupação das multinacionais com a viagem do então governador à Europa. “O gov. J S embarca no sábado para Amsterdã chegando no domingo, faz a apresentação do projeto expresso-aeroporto na segunda 17/03 às 16hs onde nos pede presença marcante”, escreveu um executivo.

Na viagem, segundo Marchetti, o tucano lhe disse que, caso a Siemens conseguisse na Justiça desclassificar a CAF, o governo iria cancelar a concorrência porque o preço da alemã era 15% maior. “O então governador e seus secretários fizeram de tudo para de
fender a CAF”, disse.

Para o Ministério Público Estadual, no entanto, o relato do ex-diretor da Siemens, “longe de levantar suspeita contra o ex-governador, revela, ao contrário, a justa preocupação do chefe do Executivo em relação aos prejuízos que poderiam advir ao Estado caso a proposta vencedora do certame, apresentada pela empresa CAF, fosse desqualificada em virtude de medidas judiciais intentadas pela Siemens”.

COM A PALAVRA, A EQUIPE DE CAMPANHA DE JOSÉ SERRA
A equipe de campanha do candidato ao Senado José Serra (PSDB) disse que “estranha a citação do nome de Serra nesse inquérito, sobretudo porque o Ministério Público (Estadual)já realizou a mesma investigação e a arquivou, por não encontrar nenhuma irregularidade ligada a ele”.

Para a assessoria, “mais que isso, o Ministério Público afirmou que Serra teve uma atuação contra o cartel”.

A campanha afirma que “o vazamento do inquérito neste período eleitoral revela apenas motivação política para se produzir notícias artificialmente”.

O Metrô e a CPTM informaram que “continuam colaborando com todos os órgãos que investigam as denúncias sobre cartel por parte das empresas que participaram de licitações e têm total interesse em apurar os fatos”. “Caso constatado o prejuízo, será exigido ressarcimento aos cofres públicos”, informou a Secretaria dos Transportes Metropolitanos.

documento-serra-ok

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Mais conteúdo sobre: