Polícia de Alckmin oferece apoio à PF

Polícia de Alckmin oferece apoio à PF

Secretaria de Segurança Pública do Estado informa que Polícia Militar poderá ser chamada para 'garantir a ordem' em São Bernardo do Campo caso Lula não se entregue

Adriana Ferraz

06 Abril 2018 | 10h51

Foto: GABRIELA BILO / ESTADAO

A Secretaria de Segurança Pública do governo Alckmin já ofereceu apoio à Policia Federal para auxiliar em uma eventual operação para prender o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, caso o petista não se entregue no prazo e local determinados pelo juiz federal Sérgio Moro, ou seja, até as 17h desta sexta-feira, em Curitiba, base da Operação Lava Jato.

Segundo o secretário Mágino Alves, caberá à Polícia Federal prender Lula e não à Polícia Militar de São Paulo. “O que poderemos fazer, caso necessário, é agir para assegurar o livre trânsito e a ordem de modo geral. Já me coloquei à disposição do superintendente da PF neste sentido”, disse Mágino.

Na manhã desta sexta, 6, o petista sinalizou que não deverá se entregar a Moro em Curitiba, mas não há qualquer definição ainda sobre Lula se entregar na sede da PF em São Paulo, que é uma das opções, ou aguardar a polícia levá-lo da sede do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo, onde está desde o início da noite desta quinta-feira, 5.

De acordo com Mágino, é possível efetuar a prisão após as 17h. “O que não se pode é violar um domicílio tarde da noite. Mas ainda está muito cedo para sabermos o que vai acontecer. Não há nada preparado. Da nossa parte, só estamos à disposição para prestar auxílio. A operação não é nossa”, completou o secretário.