PM joga bombas de gás contra manifestantes no centro do Rio

PM joga bombas de gás contra manifestantes no centro do Rio

Segundo os organizadores, uma liminar da Justiça autorizava o acesso do público às galerias da Assembleia Legislativa para assistir à sessão extraordinária em que parlamentares fluminenses vão decidir se mantém ou se derrubam ordem de prisão contra o presidente Jorge Picciani e outros dois deputados do PMDB

Marcio Dolzan / RIO

17 Novembro 2017 | 16h08

 Foto: FABIO MOTTA/ESTADÃO

A Polícia Militar está usando bombas de gás para dispersar cerca de mil manifestantes que se concentram em frente à Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), onde deputados estaduais votam pela manutenção ou não da prisão de três parlamentares, entre eles o atual presidente da Casa, Jorge Picciani (PMDB). O lançamento das bombas provoca correria por ruas do Centro do Rio.

O ato começou por volta das 13h, e vinha transcorrendo sem maiores incidentes até às 16h. Segundo os manifestantes, uma liminar da Justiça autorizava o acesso do público às galerias da Alerj, mas com a demora da chegada da decisão um grupo tentou invadir a Assembleia. Foi aí que a PM passou a fazer uso das bombas.

Os manifestantes ocupavam a Avenida Primeiro de Março. Um carro de som, bandeiras de partidos de esquerda e de grupos sindicais também são usados no ato. Os discursos são feitos por líderes de movimentos e pessoas que se apresentam como “cidadãos comuns”. Todos pedem pela manutenção da prisão de Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi, todos do PMDB. Os três passaram a noite confinados na Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, na zona norte do Rio.