Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Politica » PF vê propinas em ‘cirurgias urgentes’ nas Clínicas em SP

Política

PF vê propinas em ‘cirurgias urgentes’ nas Clínicas em SP

PF vê propinas em ‘cirurgias urgentes’ nas Clínicas em SP

Operação Dopamina aponta fraudes de até R$ 18 milhões e procedimentos desnecessários

0

Fausto Macedo e Julia Affonso

18 Julho 2016 | 09h27

EF10 SÃO PAULO / SP 20/02/2014 CIDADESREFORMA / PRONTO SOCORRO HC. Reforma do pronto socorro do Hospital das Clinicas que esta atrasada. Rua dr. Eneas de Carvalho Aguiar, 255. FOTO EVELSON DE FREITAS/ESTADÃO

Pronto socorro do Hospital das Clinicas que esta atrasada. FOTO EVELSON DE FREITAS/ESTADÃO

A Polícia Federal afirma haver indicativos de pagamento de propina por meio de contratos fictícios de serviços de “consultoria médica”, supostamente prestados por médicos para a empresa investigada e fornecedora dos equipamentos na Operação Dopamina. A ação da Federal e da Procuradoria da República, em São Paulo, investiga superfaturamento no tratamento do Mal de Parkinson.

Estão sendo cumpridos 11 mandados de busca e apreensão e quatro mandados de condução coercitiva nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro. A Dopamina apura desvio de recursos públicos na compra de equipamentos médicos para pacientes que sofrem de doença de Parkinson.

Segundo a PF, a investigação foi aberta com o envio de informações, pelo Ministério Público Federal, de que pacientes do SUS atendidos pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo estavam sendo induzidos a acreditar que havia necessidade de realização de cirurgias urgentes para implantes de equipamentos para estímulos do cérebro, sem que esse fato fosse verdadeiro.

Os pacientes seriam então induzidos a propor ações judiciais para a compra desses equipamentos. Nos casos em que o judiciário, induzido a erro, entendia haver urgência, a compra dos equipamentos era feita sempre da mesma empresa fornecedora, com valores superfaturados. Equipamentos que, de forma regular, custariam cerca de R$ 24 mil eram vendidos por R$ 115 mil.

A investigação apura a realização de cerca de 200 cirurgias, no período de 2009 a 2014, que teriam gerado um prejuízo de cerca de R$ 18 milhões.

Os investigados podem ser responsabilizados pelos crimes de associação criminosa, peculato, corrupção e estelionato contra União, cujas penas podem chegar até doze anos de prisão.

O nome da Operação refere-se ao neurotransmissor dopamina, cuja deficiência está relacionada ao Mal de Parkinson.

COM A PALAVRA, O HOSPITAL DAS CLÍNICAS

Em relação à operação da Polícia Federal, o Hospital das Clínicas da FMUSP informa que, desde fevereiro, vem colaborando com o MPF na apuração do caso, entregando todos os documentos e fornecendo todas as informações solicitados. Desde o início, o MPF pediu sigilo sobre o caso, de forma que o HCFMUSP não pôde iniciar apurações internas. Agora, será aberta uma apuração sobre o caso. O HCFMUSP segue à disposição do MPF e da PF para auxiliar nas investigações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentarios