PF prende Geddel de R$ 51 milhões

PF prende Geddel de R$ 51 milhões

Polícia Federal deflagra a 4ª fase da Operação Cui Bono, desdobramento da Tesouro Perdido que achou bunker em Salvador

Julia Affonso, Luiz Vassallo e Beatriz Bulla

08 Setembro 2017 | 08h27

Geddel Vieira Lima. Foto: André Dusek/Estadão

A Polícia Federal deflagrou, nesta sexta-feira, 8, a 4ª fase da Operação Cui Bono. O ex-ministro Geddel Vieira Lima foi preso dias após a descoberta do bunker com R$ 51 milhões.

+ Entre o lar de Geddel e bunker dos R$ 51 mi, uma caminhada de 12 minutos
+ Delatores Joesley e Funaro afundam Geddel
+ PF aponta relação de bunker de R$ 51 milhões com deputado irmão de Geddel

Documento

“Ninguém aguenta mais tanto roubo”, dizia Geddel em 2015

Empresário diz à PF que ‘não sabia’ do dinheiro no bunker de Geddel

Após a Operação Tesouro Perdido, a pedido da Polícia Federal, estão sendo cumpridos 5 mandados judiciais expedidos pela 10 ª Vara Federal de Brasília, sendo 3 mandados de busca e apreensão e 2 mandados de prisão preventiva.

Uma das buscas foi feita na casa da mãe de Geddel. Também foi preso o diretor da Defesa Civil, Gustavo Ferraz, em Salvador.

A autorização para as medidas cautelares foi dada pelo juiz federal Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara, em Brasília. O objetivo é recolher provas da prática de crimes como corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

+ Juiz afirma que prisão domiciliar para Geddel é ‘completamente ineficaz’
+ Juiz mandou fazer buscas na casa da mãe de Geddel
+ PF achou digitais de Geddel e até fatura de empregada em bunker de R$ 51 milhões

Na petição enviada à Justiça, o Ministério Público Federal, endossou os pedidos apresentados pela Polícia Federal, argumentando que as medidas são necessárias para evitar “a destruição de elementos de provas imprescindíveis à elucidação dos fatos”.

Foto: PF

OUTRAS DO BLOG: + Fachin revê decisão e tira de Moro investigação sobre Haddad

Nova denúncia contra Temer terá ao menos sete delações

A Polícia Federal havia achado as impressões digitais de Geddel nas notas de dinheiro que estavam no bunker.

Foram apreendidos R$ 51 milhões – R$ 42.643.500,00 e US$ 2.688.000,00. O dinheiro foi depositado em uma conta judicial.

Geddel estava em prisão domiciliar sem tornozeleira eletrônica. O ex-ministro havia sido preso em 3 de julho e mandado para casa em 12 de julho.

Foto: PF

A primeira prisão de Geddel teve como base um depoimento do corretor Lúcio Bolonha Funaro. Em depoimento à Procuradoria-Geral da República em Brasília, Funaro disse ter entregue ‘malas ou sacolas de dinheiro’ ao ex-ministro. O corretor declarou ter feito ‘várias viagens em seu avião ou em voos fretados, para entregar malas de dinheiro para Geddel Vieira Lima’.

“Essas entregas eram feitas na sala VIP do hangar Aerostar, localizada no aeroporto de Salvador/BA, diretamente nas mãos de Geddel”, declarou Funaro.

Em agosto, Geddel se tornou réu por obstrução de Justiça. O ex-ministro teria atuado para evitar a delação premiada do corretor Lúcio Funaro, que poderia implicá-lo em crimes de corrupção na Caixa Econômica Federal.

COM A PALAVRA, GEDDEL

A defesa do peemedebista afirma que vai se manifestar quando tiver acesso aos autos.

Mais conteúdo sobre:

Geddel Vieira Lima