PF desarticula grupo que fraudava concursos públicos

PF desarticula grupo que fraudava concursos públicos

Candidatos suspeitos pagam à organização criminosa dez vezes o valor do salário do cargo pretendido, pelas respostas da prova, afirma a PF

Julia Affonso e Fausto Macedo

21 Outubro 2015 | 12h42

Foto: Ascom/PF

Foto: Ascom/PF

Atualizada às 16h45

A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira, 21, a Operação Afronta, em São Paulo, no Paraná, Rio de Janeiro, em Alagoas e Rondônia. A ação é resultado de investigação para desarticular uma organização criminosa, estruturada para fraudar concursos públicos, notadamente do Poder Judiciário, em todo o território nacional.

Segundo a PF, a fraude foi detectada pelo Tribunal Regional Federal da 3ª Região, que notou irregularidades no último concurso para os cargos de analista judiciário e técnico judiciário e encaminhou os documentos à PF para instauração de inquérito.


“Os candidatos suspeitos tinham prestado a prova em Sorocaba. Eles pagam à organização criminosa dez vezes o valor do salário do cargo pretendido, pelas respostas da prova. Para apoiar os trabalhos investigativos a Polícia Federal usou o S.P.A.D.E., sigla para Sistema de Prospecção e Análise de Desvios em Exames, software desenvolvido pela própria Polícia Federal para subsidiar apurações de fraudes em concursos públicos e exames”, diz nota da PF.

O sistema, afirma a corporação, é alimentado com os gabaritos dos candidatos que fizeram a prova e varre as respostas em busca de coincidências, apontando os candidatos que apresentaram maior número de coincidências nas respostas e indicando se aquelas coincidências eram ou não esperadas. Os relatórios do sistema são encaminhados concomitantemente à perícia, para validação e análise estatística, e a policiais, para que proceda à investigação criminal.

Os investigados responderão de acordo com sua participação, pelos crimes de organização criminosa (art. 1º, § 1º, Lei 12.850/2013) e fraude em certames de interesse público (art. 311-A do Código Penal).

A PF informou que valor cobrado pela organização variava de acordo com o contracheque da carreira escolhida pelo ‘candidato’ – se ele pretendia um cargo público com vencimentos de R$ 10 mil, teria que desembolsar R$ 100 mil para a quadrilha, ou seja, dez vezes mais. Pelo menos 40 alvos estão sob investigação.

Segundo a PF, o grau de sofisticação do grupo era tão elevado que o ponto eletrônico usado cabe na ponta do dedo indicador. Tão pequeno que, depois da prova, o ‘candidato’ só podia tirar a peça do ouvido com uso de um ímã.

Segundo a PF, na primeira parte da trama alguns integrantes do grupo se passavam por candidatos apenas para ter acesso à prova e dela fazer imagens. Depois, os ‘candidatos’ se retiravam do local da prova e repassavam as imagens para o comando da organização que, então, respondia todas as questões e, por meio do ponto eletrônico, transmitia as respostas certas àqueles que permaneceram em sala.

PASSO A PASSO DA ORGANIZAÇÃO QUE FRAUDAVA CONCURSOS PÚBLICOS

a) os líderes da organização monitoram a publicação de editais de concursos públicos;

b) publicado o edital, são inscritos no exame candidatos interessados em ingressar na carreira mediante fraude e também os chamados “pilotos”, membros da quadrilha que se inscrevem para fotografar o caderno de questões com microcâmeras durante a prova;

c) no dia do exame, após fotografarem as questões e ter decorrido o tempo de permanência em sala de aula, geralmente de uma hora, os “pilotos” saem do local de prova e repassam as fotos das folhas de questões ao líder da organização;

d) este, por sua vez, providencia a correção das questões com o auxílio de outros comparsas;

e) finalmente, as respostas são repassadas aos candidatos por meio de “ponto eletrônico”, dispositivo intra-auricular de comunicação, que se conecta ao celular do candidato.

Mais conteúdo sobre:

Concurso PúblicoPolícia Federal