PF deflagra Maravalha contra extração ilegal de madeira

PF deflagra Maravalha contra extração ilegal de madeira

Mais de duzentos agentes e dois helicópteros participam da ação que investiga também o comércio irregular de madeira em terras indígenas no Sudoeste do Maranhão

Luiz Vassallo e Julia Affonso

23 Março 2017 | 11h05

Foto: PF

Foto: PF

A Polícia Federal, em parceria com o Ibama e a Polícia Rodoviária Federal, deflagrou nesta quinta-feira, 23, no sudoeste do estado do Maranhão, a Operação Maravalha. Em nota, a PF informa que a ação é de combate à extração, ao transporte e à comercialização ilegal de madeira proveniente das terras indígenas Caru, Araribóia e da Reserva Biológica do Gurupi.
Segundo a PF, foram executadas 10 interdições de serrarias clandestinamente instaladas nos municípios de Arame, Amarante e Buriticupu, no Maranhão. A corporação suspeita que os estabelecimentos atuem receptando madeira extraída de terras indígenas. A operação resulta de três ações civis públicas movidas contra os empreendimentos clandestinos.

Mais de duzentos agentes, entre eles policiais federais, rodoviários federais, bombeiros militares e servidores do Ibama e do ICMBio, foram empenhados na a Operação Maravalha. A PF informa ainda que conta com apoio de dois helicópteros.

A corporação afirma que os investigados responderão por crimes como desobediência à decisão judicial, receptação qualificada, ter em depósito produto de origem vegetal sem licença válida, dentre outros.

Foto: PF

Foto: PF

Maravalha – nome dado à operação – é um termo usado para denominar os restos de serragem de madeira em serrarias. A PF afirma ter batizado a ação com esse nome já que o objetivo é o combate a estabelecimentos irregulares deste setor.

Notícias relacionadas