PF abre 51ª fase da Lava Jato

PF abre 51ª fase da Lava Jato

Juiz Sérgio Moro autorizou operação Dejà vu, que investiga obtenção de contratos junto à Petrobras mediante o pagamento de vantagens indevidas a executivos e gerentes da empresa petrolífera

Fausto Macedo e Luiz Fernando Teixeira

08 Maio 2018 | 07h46

FOTO: FELIPE RAU/ESTADÃO

Agentes da Polícia Federal estão nas ruas na manhã desta terça-feira, 8, para cumprir a Operação Dejà vu, a 51ª fase da Operação Lava Jato. Vinte e três mandados são cumpridos no Rio de Janeiro, Espírito Santo e São Paulo, por ordem do juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba.

+ Dejà vu age contra esquema de R$ 200 milhões e atinge o MDB

De acordo com a PF, aproximadamente 80 policiais federais cumprem quatro mandados de prisão preventiva, dois mandados de prisão temporária e 17 mandados de busca e apreensão, contra alvos investigados por corrupção, associação criminosa, fraudes em contratações públicas, crimes contra o Sistema Financeiro Nacional e lavagem de dinheiro, dentre outros delitos.

Os mandados de prisão preventiva são cumpridos no Rio de Janeiro, Parati, Niterói e Miguel Pereira, todos no Estado do Rio. As prisões temporárias acontecem também no Rio e em Guaratinguetá (SP). Já as incursões de busca e apreensão acontecem, além das cidades citadas, em Jacuecanga, Petrópolis, Duque de Caxias e Areal, no Rio de Janeiro, além de Vitória, no Espírito Santo.

As investigações apontam que a propina proveniente da Odebrecht para a obtenção do contrato investigado neste momento foram destinados a agentes públicos e partidos políticos. O nome da Operação remete ao fato da investigação identificar que o ‘modus operandi’ dos alvos já foi  ‘amplamente revelado pela Operação Lava Jato’.

A empresa obtinha contratos junto à Petrobras, em valores superfaturados, mediante o pagamento de vantagens indevidas à executivos e gerentes da empresa petrolífera. Esse dinheiro era repassado através de offshores no exterior.

Os presos serão conduzidos à Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, local onde o ex-presidente Lula e demais alvos da Lava Jato estão presos, onde permanecerão à disposição da Justiça.

COM A PALAVRA, PT

Mais uma vez, a Lava Jato lança acusações irresponsáveis e sem provas contra o Partido dos Trabalhadores a partir de mentiras negociadas com criminosos, em troca de benefícios financeiros e penais. Assessoria de Imprensa