PF abre Operação Philoteus contra o tráfico internacional de pessoas

PF abre Operação Philoteus contra o tráfico internacional de pessoas

Investigação conjunta com EUA e México revela ligação de grupo com funcionários de companhia aérea e terceirizados do Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo; agentes cumprem cinco mandados de busca

Fausto Macedo e Julia Affonso

20 Março 2018 | 09h21

Foto: PF

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira, 20, a Operação Philoteus. A investigação mira o tráfico de pessoas para os Estados Unidos, o México e o Brasil.

Em nota, a PF informou que são cumpridos 5 mandados de busca e apreensão, sendo 3 em Guarulhos, 1 em São Paulo e 1 no Distrito Federal. A ação da PF contou com cooperação policial internacional e ações controladas em parceria com autoridades dos Estados Unidos (ICE) e do México (INM).

Foto: PF

O inquérito policial teve início em setembro de 2015, após a tentativa frustrada de entrada no Brasil de um grupo de estrangeiros da Índia e do Bangladesh com documentos falsos, por meio da fronteira com o Paraguai. Os estrangeiros haviam solicitado vistos de entrada na embaixada brasileira daquele país.

A investigação apurou que o grupo criminoso também prometia aos imigrantes trabalho no Brasil e nos Estados Unidos. No caso de viagens aos EUA, originalmente, os indivíduos tinham Cuba como destino final das passagens aéreas.
Eles somente aterrissavam no Brasil para a realização de conexão entre aviões e, assim, não realizavam os procedimentos de imigração, como é comum em situações desse tipo. Dentro da área restrita do aeroporto, eles recebiam documentos e, na posse desses documentos, seguiam viagem até o México, para nova troca de avião, mas realizavam a imigração naquele país com o fim de adentrarem os Estados Unidos pela fronteira terrestre. Há registros de que brasileiros também imigraram aos Estados Unidos utilizando-se dos serviços desses coiotes.

“Os indícios apontam que os traficantes estrangeiros se associaram a funcionários de companhia aérea e colaboradores terceirizados do Aeroporto Internacional de São Paulo para que pudessem enviar documentos aos indivíduos na área restrita, que aguardavam a conexão. Os autos apontam que outros estrangeiros, também provenientes da Índia e do Bangladesh, foram trazidos ilegalmente ao Brasil, pela fronteira seca”, infrma a nota da PF.

Os investigados responderão, na medida de suas participações, pelos crimes de tráfico de pessoas, aliciamento com fins de imigração e falsificação de documento público, com penas de 1 a 8 anos de prisão, sem prejuízo de responderem por outros crimes que possam ser descobertos ao longo da investigação.

Mais conteúdo sobre:

Polícia Federal