PF abre Cartão Vermelho contra superfaturamento da Fonte Nova e mira Jaques Wagner

PF abre Cartão Vermelho contra superfaturamento da Fonte Nova e mira Jaques Wagner

Operação afirma que obra de estádio da Copa, em Salvador, teve valores aumentados em mais de R$ 450 milhões e 'grande parte desviado para o pagamento de propina e o financiamento de campanhas eleitorais'

Julia Affonso

26 Fevereiro 2018 | 06h42

Jaques Wagner. FOTO DIDA SAMPAIO / ESTADAO

A Polícia Federal deflagrou nesta segunda-feira, 26, a Operação Cartão Vermelho. Agentes fizeram buscas na casa do ex-governador Jaques Wagner (PT) e também na Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Governo do Estado, Pasta comandada pelo petista. Jaques Wagner teria levado R$ 82 milhões em propina e caixa 2, segundo a investigação.

A ação cumpre sete mandados de busca e apreensão no âmbito da investigação que apura irregularidades na contratação dos serviços de demolição, reconstrução e gestão do estádio Arena Fonte Nova, em Salvador.

Em nota, a PF informou que ‘dentre as irregularidades já evidenciadas no inquérito policial estão fraude a licitação, superfaturamento, desvio de verbas públicas, corrupção e lavagem de
dinheiro’.

“Conforme apurado durante as investigações, a licitação que culminou com a Parceria Público Privada nº 02/2010 foi direcionada para beneficiar o consórcio Fonte Nova Participações – FNP, formado pelas empresas Odebrecht e OAS”, afirma a PF.

“A obra, segundo laudo pericial, foi superfaturada em valores que, corrigidos, podem chegar a mais de R$ 450 milhões, sendo grande parte desviado para o pagamento de propina e o financiamento de campanhas eleitorais.”

Os mandados – expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região – estão sendo cumpridos em órgãos públicos, empresas e endereços residenciais dos envolvidos no esquema criminoso, e têm por objetivo possibilitar a localização e a apreensão de provas complementares dos desvios nas contratações públicas, do pagamento de propinas e da lavagem de dinheiro.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO PABLO DOMINGUES, QUE DEFENDE JAQUES WAGNER

“A gente ainda não teve acesso integral ao inquérito. Do que a gente tem conhecimento, é que esses valores são valores feitos de modo aleatório, há uma fragilidade na elaboração dessas contas. São factoides, são inverdades. Ele está muito tranquilo com relação a isso, porque jamais houve essa situação. Está absolutamente tranquilo em relação a isso.”

COM A PALAVRA, O SECRETÁRIO BRUNO DAUSTER

“O secretário da Casa Civil, Bruno Dauster, estranhou a inclusão do seu nome na operação da Polícia Federal. Disse que não era secretário na época dos fatos investigados e que deseja um amplo esclarecimento o mais rápido possível.”