‘Peixe’, ‘Jabuti’, ‘Kejo’ e ‘Azeitona’ viram réus por R$ 32 milhões de propinas na Petroquisa

‘Peixe’, ‘Jabuti’, ‘Kejo’ e ‘Azeitona’ viram réus por R$ 32 milhões de propinas na Petroquisa

Quatro ex-gerentes da Petrobrás, entre 9 alvos de ação penal na Lava Jato, ganharam apelidos no departamento de propinas da Odebrecht

Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba, Luiz Vassallo e Fausto Macedo

04 Maio 2018 | 20h06

Reprodução

O juiz federal Sérgio Moro abriu ação penal contra 9 acusados no âmbito da Operação Lava Jato por propinas de R$ 32 milhões no âmbito de investigação que mira desvios na Petroquisa, subsidiária da Petrobrás. A denúncia é resultado 46.ª fase da Operação Lava Jato, que não foi batizada pela PF, como usualmente, deflagrada em outubro de 2017.

São acusados quatro ex-gerentes ligados à Petrobrás e à Petroquisa – braço petroquímico da estatal petrolífera -, quatro executivos da Odebrecht e uma agente que atuava junto a um representante do Banco Société Générale, da Suíça.

Os ex-gerentes da estatal, Paulo Cezar Amaro Aquino, Djalma Rodrigues de Souza, Glauco Colepicolo Legatti e Maurício de Oliveira Guedes, todos receberam apelidos em planilhas de propinas da Odebrecht. Respectivamente, seus nomes eram “Peixe”, “Jabuti”, “Kejo e “Azeitona”.

As investigações apontam pagamentos de propina que se estenderam até o ano de 2014 e superam o montante de R$ 32 milhões.

Essas vantagens indevidas, segundo a Procuradoria, ‘relacionam-se com contratos firmados pela empreiteira, ainda em 2010, para realização de obras do Complexo Petroquímico Suape, em Pernambuco’.

“Nesse contexto de promessa e efetivo pagamento de vantagem indevida em contas ligadas aos ex-gerentes da Petrobrás, as provas apontam que os contratos foram direcionados à Odebrecht no âmbito interno da estatal.”

“Os pagamentos da soma de R$ 32,5 milhões aconteceram mediante a utilização de diversas contas mantidas no exterior, inclusive no Banco Société Générale, e que estavam em nome de empresas offshores com sede em paraísos fiscais.”, afirma a força-tarefa.

Um dos denunciados teria recebido sozinho R$ 17,7 milhões do Grupo Odebrecht.