‘Patty’ diz no Whatsapp que deu seu carro de R$ 45 mil e pegou cargo público em São Bernardo

‘Patty’ diz no Whatsapp que deu seu carro de R$ 45 mil e pegou cargo público em São Bernardo

Reportagem da Revista Época revela detalhes da Operação Barbatanas, do Ministério Público do Estado, que mira ex-secretário de Gestão Ambiental do governo Orlando Morando (PSDB) por organização criminosa

Da Redação

03 Novembro 2017 | 18h36

Mario de Abreu. Foto: Reprodução/Facebook

A chave para a deflagração da Operação Barbatanas, que tem como alvo maior o vereador tucano Mário Henrique de Abreu- ex-secretário de Gestão Ambiental do governo Orlando Morando (PSDB) de São Bernardo do Campo, no ABC paulista -, foi uma mensagem compartilhada no grupo de Whatsapp ‘SOS Mamães’, revela o repórter Mateus Coutinho, da Revista Época. Na mensagem, Patrícia Martiniano da Rocha, a ‘Patty’, então oficial de gabinete da Gestão Ambiental, diz à amiga Elaine.

“Eu peguei um cargo comissionado aq onde moro, na verdade comprei o cargo estou trabalhando na secretaria de meio ambiente com um vereador que ganhou e foi nomeado a secretário. Dei meu carro que valia 45 mil a ele e ele me deu o cargo. Estou adorando.”

Barbatanas é uma ação conjunta do Ministério Público de São Paulo com a Polícia Civil. Na terça-feira, 31, com autorização judicial, a força-tarefa fez buscas no gabinete de Abreu na Gestão Ambiental, apontada como abrigo de organização criminosa e foco de um esquema de corrupção na venda de licenças ambientais.

O ex-secretário teria usado uma empresa sua para lavar dinheiro ilícito e ocultar bens.

No mesmo dia, o prefeito Orlando Morando exonerou Abreu do cargo, medida que já havia sido determinada pela Justiça. Na Câmara, Abreu anunciou afastamento do mandato por 45 dias, alegando que estava ‘tranquilo’ e que foi ‘pego de surpresa’ pela Operação Barbatanas.

Os promotores do Gaeco, Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado – braço do Ministério Público – denunciaram Abreu e pediram sua prisão. A Justiça negou a prisão do ex-secretário. ‘Patty’, destaca a reportagem de Época, é citada em uma ação civil de improbidade administrativa.

Ná conversa pelo Whatsapp, ‘Patty’ revela como funcionava a Pasta comandada pelo vereador tucano.

Ao ser indagada pela amiga sobre como havia comprado o cargo, ‘Patty’ esclareceu. “O vereador tem direito de dar 16 cadeiras a pessoas que ajudaram ele na eleição. Só que ao invés de ele dar ele vendeu. Aí eu comprei uma cadeira. Tinha meu carro, ele é amigo do meu pai, ofereci meu carro ele queria 40 mil em dinheiro pro cargo que ganha 5500 ao mês aí eu dei meu carro ele aceitou. Agora estou sem carro, preciso comprar outro.”

A reportagem mostra que o ‘SOS Mamães’ reúne mães de todo o país. O diálogo inusitado despertou a atenção de uma mulher que encaminhou os textos do WhatSapp para o Ministério Público de Sâo Bernardo do Campo em março.

COM A PALAVRA, O EX-SECRETÁRIO HENRIQUE ABREU

O ex-secretário de Gestão Ambiental declarou na quarta-feira, 1, quando pediu afastamento do mandato por 45 dias, que ‘está tranquilo’ e que ‘vai provar sua inocência’. Alegou que não teve acesso à íntegra da investigação.

COM A PALAVRA, A ADMINISTRAÇÃO ORLANDO MORANDO

A administração Orlando Morando (PSDB) informou que Abreu foi exonerado com outros citados na investigação. A Prefeitura de São Bernardo do Campo informou que recebeu a denúncia da Promotoria ‘com surpresa’ e que já afastou os funcionários investigados. Segundo a Prefeitura, foi instaurado processo administrativo para apurar o caso.

“O prefeito Orlando Morando determinou a exoneração imediata do secretário de Gestão Ambiental, Mario Henrique de Abreu, do diretor de Licenciamento Ambiental Sergio de Sousa Lima, e chefe de seção, Tiago Alves Martinez, por não concordar com a situação e colaborando com a justiça”, afirmou, em nota, a Prefeitura.

A reportagem não localizou ‘Patty’.