1. Usuário
Fausto Macedo
Assine o Estadão
assine
Fausto Macedo

Fausto Macedo

Repórter

EM ALTA

Luis Eduardo Campos Barbosa Da Silva

Patrimônio de novo delator da Lava Jato cresceu 97 vezes em 10 anos

Por Julia Affonso, Ricardo Brandt e Fausto Macedo

10/01/2016, 12h00

   

Segundo documento da PF, o executivo Luis Eduardo Barbosa tinha R$ 517 mil em 2003, valor que saltou para R$ 50 milhões em 2013

Luis Eduardo Campos Barbosa da Silva, novo delator da Lava Jato. Foto: Reprodução

Luis Eduardo Campos Barbosa da Silva, novo delator da Lava Jato. Foto: Reprodução

O patrimônio do empresário Luis Eduardo Campos Barbosa da Silva, novo delator da Operação Lava Jato, cresceu 97 vezes em 10 anos, afirma a Receita em laudo da Polícia Federal. Segundo o documento, o executivo tinha R$ 517 mil em 2003, valor que saltou para R$ 50 milhões em 2013. Luis Eduardo Barbosa é sócio do operador da SBM Julio Faerman – outro delator do esquema de corrupção na Petrobrás – na empresa Oildrive Consultoria em Energia e Petróleo e ex-funcionário da Asea Brown Boveri (ABB).

Segundo a Polícia Federal, Luis Eduardo ‘agiu como operador financeiro em favor das empresas Alusa, Rolls Royce e SBM. “A Receita Federal também fez um pente-fino nas contas de Luis Eduardo. Ele é um dos sócios da Oildrive Consultoria, uma das representantes da multinacional holandesa SBM Offshore, suspeita de pagar propinas em troca de contratos na Petrobrás. Ele tinha R$ 517 mil em 2013, valor que saltou para R$ 50 milhões em 2013, evoluindo 97 vezes”, relatou laudo da PF.

luis-eduardo-receita

Trecho do laudo da Polícia Federal

Segundo os investigadores, as empresas ligadas a Luis Eduardo Barbosa serviriam como instrumento para que, a partir da celebração de contratos fraudulentos e da emissão de notas fiscais inidôneas, as empreiteiras efetuassem pagamentos de propina a agentes públicos e privados, inclusive a empregados públicos ligados à Petrobrás.

As investigações chegaram a Luis Eduardo por meio da delação premiada do ex-gerente executivo da Petrobrás Pedro Barusco. Segundo o delator, Julio Faerman e Luis Eduardo eram chamados de ‘Batman e Robin’, respectivamente, por andarem sempre juntos. A delação de Julio Faerman foi homologada pela Justiça em agosto de 2015.

Em dezembro do ano passado, Luis Eduardo, Julio Faerman e outros 10 investigados foram denunciados pelo Ministério Público Federal por envolvimento no esquema de pagamento de US$ 42 milhões em propinas entre 1997 e 2012 por meio de contratos de aluguel de navios-plataforma da empresa holandesa SBM Offshore.

Quando a delação premiada do executivo Luis Eduardo Barbosa foi divulgada, o advogado que o representa e a Alumini (antiga Alusa Engenharia) se manifestaram desta forma:

COM A PALAVRA, O ADVOGADO ANTÔNIO SÉRGIO MORAES PITOMBO, QUE DEFENDE LUIS EDUARDO BARBOSA

O criminalista Antônio Sérgio Moraes Pitombo, que defende Luís Eduardo Barbosa, não pôde se manifestar sobre a delação. ” Não posso falar nada sobre o acordo de colaboração porque ele está sob sigilo. Eu assinei o acordo, então, em hipótese alguma eu posso comentar qualquer detalhe.”

COM A PALAVRA, A ALUMINI (ANTIGA ALUSA ENGENHARIA)

Sobre a suposta delação do Sr. Luis Eduardo Campos Barbosa da Silva, cabe esclarecer que ele jamais foi “operador financeiro” da Alumini (antiga Alusa Engenharia), conforme o seu próprio depoimento destacado na reportagem. O Sr. Luis Eduardo atuou de forma absolutamente lícita e transparente como representante comercial da empresa e prestador de serviço de consultoria de projetos. A Alumini, mais uma vez, refuta completamente a afirmação de que tenha recebido qualquer tipo de informação privilegiada. Isso nunca aconteceu. O próprio ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco, em seu depoimento à CGU e em sua delação premiada, reiterou que não houve informação privilegiada para a empresa. As informações às quais a reportagem se refere, sobre a estimativa de preço do contrato, eram de conhecimento público e de todos os participantes do certame.

(Visited 23 time, 7 visit today)

 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.