Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Politica » Para maior entidade de juízes, processo disciplinar contra Moro ‘é inadmissível’

Política

Para maior entidade de juízes, processo disciplinar contra Moro ‘é inadmissível’

Politica

AMB

Para maior entidade de juízes, processo disciplinar contra Moro ‘é inadmissível’

Associação dos Magistrados Brasileiros reage à iniciativa do Sindicato dos Advogados de São Paulo que representou no Conselho Nacional de Justiça a pedido de defensor de Lula

0

Fausto Macedo e Julia Affonso

10 Março 2016 | 07h39

João Ricardo Costa é o atual presidente da Associação. Foto: AMB

João Ricardo Costa é o atual presidente da Associação. Foto: AMB

A Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), maior entidade da toga, considera ‘inadmissível’ a iniciativa do Sindicato dos Advogados de São Paulo em protocolar pedido de processo disciplinar no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) contra o juiz Sérgio Moro, que preside a Operação Lava Jato.

Para a AMB, o Conselho Nacional de Justiça não pode ser encarado como uma ‘instância recursal ou como caminho para cercear a autonomia da magistratura’.

“Tal medida evidencia mais uma forma de intimidação dos juízes em suas atividades estritamente jurisdicionais e indica possível tentativa de impedimento à atuação do juiz que está à frente das investigações da Lava Jato.”

A representação disciplinar foi requerida pelo advogado Roberto Teixeira, que coordena o núcleo de defesa do ex-presidente Lula. Segundo o Sindicato dos Advogados o juiz da Lava Jato teria insinuado que Roberto Teixeira forjou a escritura do sítio Santa Bárbara, localizado em Atibaia, interior de São Paulo – a propriedade seria do ex-presidente, o que é negado por seus defensores.

Em nota pública, assinada por seu presidente, João Ricardo Costa, a AMB destacou. “A magistratura brasileira reafirma a sua confiança nas instituições, sobretudo no Poder Judiciário, e reitera que não se furtará diante de ações e manobras que venham a tentar paralisar o trabalho dos juízes no combate à corrupção.”

Mais conteúdo sobre:

Comentários