Palocci está preso, tem o direito de querer ser livre, diz Lula

Palocci está preso, tem o direito de querer ser livre, diz Lula

Interrogado pelo juiz Sérgio Moro na ação em que é réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro supostamente recebido da Odebrecht, ex-presidente disse ser alvo de 'uma caça às bruxas'

Ricardo Brandt, Julia Affonso, Luiz Vassallo, Fausto Macedo, Eduardo Laguna, Elisa Clavery e Ricardo Galhardo

13 Setembro 2017 | 17h47

Antonio Palocci. Foto: Reprodução

Em audiência nesta quarta-feira, 13, na Operação Lava Jato, o ex-presidente Lula afirmou que o ex-ministro Antonio Palocci (Fazenda/Casa Civil, Governos Lula e Dilma) ‘está preso há mais de um ano e tem o direito de querer ser livre’. A audiência de Lula durou mais de 2 horas.

“Parece que tem uma caça às bruxas. Eu tenho lidado com muita paciência. Eu vi o depoimento do Palocci, não respondi nada, não falei nada. Muita gente achou que eu ia chegar com muita raiva do Palocci. Eu achei que o Palocci tá preso há mais de um ano, o Palocci tem o direito de querer ser livre, tem o direito de querer ficar com o pouco do dinheiro que ele ganhou fazendo palestra, ele tem família. Tudo isso eu acho. O que não pode é se você não quer assumir a tua responsabilidade pelos fatos ilícitos que você fez, não jogue em cima dos outros.

DEPOIMENTOS DE LULA


DEPOIMENTOS DE PALOCCI

Na semana passada, Palocci rompeu o silêncio, fez um relato devastador e entregou o ex-presidente, a quem atribuiu envolvimento com o que chamou de ‘pacto de sangue’ com a empreiteira Odebrecht que previa repasse de R$ 300 milhões para o governo petista e para Lula.

“Eu fiquei muito preocupado com a delação do Palocci, porque ele poderia ter falado ‘Eu fiz isso de errado, eu fiz isso’. Ele, espertamente, disse, ‘não é que eu sou santo’ e pau no Lula. ‘Não é que eu sou santo’, que é um jeito de você conquistar veracidade na tua frase. Eu fiquei com pena disso”, afirmou.

Lula é réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro sobre contratos entre a empreiteira e a Petrobrás. Segundo o Ministério Público Federal os repasses ilícitos da Odebrecht chegaram a R$ 75 milhões em oito contratos com a estatal. O montante, segundo a força-tarefa da Lava Jato, inclui um terreno de R$ 12,5 milhões para Instituto Lula e cobertura vizinha à residência de Lula em São Bernardo do Campo de R$ 504 mil.

Mais conteúdo sobre:

operação Lava JatoLula