Palocci afirma que não indicou presidência da Sete Brasil

Palocci afirma que não indicou presidência da Sete Brasil

Ex-ministro dos Governos Lula e Dilma, em nota de sua assessoria, rechaçou ter sido procurado 'por quem quer que seja' para tratar de assuntos de empresa de Eike Batista

Fausto Macedo, Julia Affonso, Ricardo Brandt e Mateus Coutinho

21 Outubro 2015 | 17h28

Antonio Palocci. Foto: André Dusek/Estadão

Antonio Palocci. Foto: André Dusek/Estadão

O ex-ministro Antonio Palocci (Governos Lula e Dilma) rechaçou com veemência, nesta quarta-feira, 21, versão de que teria indicado nome para a presidência da empresa Sete Brasil, criada pela Petrobrás em parceria com bancos e fundos de pensão federal. Por meio de nota divulgada por sua assessoria de imprensa, Palocci classificou de ‘equivocadas’ notícias que envolvem seu nome.

Em delação premiada na Procuradoria-Geral da República, o operador de propinas do PMDB Fernando Antonio Falcão Soares, o Fernando Baiano, afirmou que decidiu buscar a ajuda do pecuarista José Carlos Bumlai – amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com livre acesso ao Planalto – em contratos de navios-sonda para o grupo do empresário Eike Batista, ‘por sua relação com ex-ministro Antonio Palocci’.

Palocci foi coordenador da campanha da presidente Dilma Rousseff, em 2010, e ocupava em 2011 cargo de ministro-chefe da Casa Civil. “Em razão da relação entre Antonio Palocci e Bumlai”, o operador do PMDB diz ter ligado para o pecuarista no primeiro semestre de 2011 e marcado um encontro no escritório dele em São Paulo, para tentar abrir portas para a empresa de Eike Batista na Sete Brasil.


Palocci refuta enfaticamente ter intercedido na nomeação do presidente da Sete Brasil. O ex-ministro de Lula e Dilma afirmou que ‘desconhece o assunto mencionado’ na reportagem publicada pelo Estadão a partir da delação de Baiano.

“Em nenhum momento foi procurado por quem quer que seja para tratar de assuntos relativos a interesses da OGX na Sete Brasil”, assinala Antonio Palocci. Ele destacou que cabe aos acionistas da Sete Brasil indicar a presidência da empresa.

LEIA A NOTA DIVULGADA PELA ASSESSORIA DO EX-MINISTRO ANTONIO PALOCCI

“Diante de notícias equivocadas envolvendo seu nome, Antonio Palocci afirma que não fez qualquer indicação para a presidência da empresa Sete Brasil, papel que cabe aos seus acionistas. Ressalta também que desconhece o assunto mencionado pela reportagem e que em nenhum momento foi procurado por quem quer que seja para tratar de assuntos relativos a interesses da OGX na Sete Brasil.”
Assessoria de Imprensa de Antonio Palocci

Mais conteúdo sobre:

Antonio Paloccioperação Lava Jato