Os quadros e relógios do ex-líder do PT na Câmara Cândido Vaccarezza

Os quadros e relógios do ex-líder do PT na Câmara Cândido Vaccarezza

Lava Jato apreendeu na casa de ex-deputado federal obras de arte e itens de luxo, em investigação que apura sua atuação em favor de empresas na Petrobrás

Luiz Vassallo, Julia Affonso e Ricardo Brandt

25 Setembro 2017 | 16h18

Ao revistar a casa do ex-deputado federal Cândido Vaccarezza em São Paulo, quando foi preso no dia 18 de agosto alvo da 44ª fase da Operação Lava Jato, a Polícia Federal recolheu relógios importados e uma pequena coleção de quadros do ex-líder do PT na Câmara, suspeito de receber propinas no esquema de corrupção e cartel na Petrobrás.

A ordem do juiz federal Sérgio Moro, dos processos da Lava Jato, em Curitiba, era para prender Vaccarezza e recolher materiais em sua residência de interesse às investigações. A Operação Abate apura atuação do ex-petista para favorecer empresas em contratos com a Petrobrás, em troca de propinas. Um deles que beneficiou a norte-americana Sargent Marine na venda de asfalto para a estatal e teria rendido US$ 500 mil de corrupção para o ex-parlamentar.

Vaccarezza foi solto no dia 22 de agosto, por ordem de Moro, sob o pagamento de fiança de R$ 1,5 milhão.

OUTRAS DO BLOG:

 

Vaccarezza pediu R$ 100 milhões em propinas, diz PF

PF pega com Vaccarezza preso R$ 122 mil em dinheiro vivo

+ Vaccarezza solto

Foram apreendidos computadores, discos de memória, aparelho celulares, as anotações, documentos bancários e bens. O uso de obras de artes e itens de luxo para lavagem de dinheiro é recorrente entre os investigados da Lava Jato. O ex-diretor da Petrobrás Renato Duque, o lobista Zwi Skornicki, a doleira Nelma Kodama, são alguns dos acusados que guardavam fortunas em suas residências em itens de arte, como quadros e esculturas. A maior parte desse acervo fica quardado no Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba.

São nove quadros que foram apreendidos no apartamento de Vaccarezza, na Mooca, e fotografados pelos policiais. As imagens das telas foram anexadas às investigações da PF na semana passada. As obras permaneceram na residência do ex-deputados, após assinatura de termo de fiel depositário.

No dia da prisão, o delegado Filipe Hille Pace destacou a quantidade de dinheiro apreendida na residência do ex-deputado. Os autos de apreensão mostram que além de R$ 116.300,00 encontrados no escritório do ex-petista, havia R$ 1.538,45 sobre um boleto, outros R$ 1.450,00 em uma bolsa vermelha com roupas da mulher, R$ 850,00 em um bolso de um paletó do alvo e outros R$ 3.265,00 no bolso de outro paletó.

“As provas colhidas apontam que Cândido Vaccarezza, líder do Partido dos Trabalhadores na Câmara dos Deputados entre janeiro de 2010 e março de 2012, utilizou a influência decorrente do cargo em favor da contratação da Sargeant Marine pela Petrobras, o que culminou na celebração de doze contratos, entre 2010 e 2013, no valor de aproximadamente US$ 180 milhões”, afirma o Ministério Público Federal.