Os dezoito codinomes que o delator da Odebrecht não identificou

Os dezoito codinomes que o delator da Odebrecht não identificou

Ex-diretor de Relações Institucionais da empreiteira apontou apenas uma parte das identidades à sombra de apelidos lançados na contabilidade do 'departamento de propinas'

Mateus Coutinho e Julia Affonso

17 Dezembro 2016 | 05h10

Prédio da Odebrecht em São Paulo. Foto: Jf Diório/ Estadão

Prédio da Odebrecht em São Paulo. Foto: Jf Diório/ Estadão

Em sua delação premiada, o ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht Claudio Melo Filho revelou os nomes verdadeiros ligados de 50 beneficiários de vantagens ilícitas identificados por apelidos na contabilidade do ‘departamento da propina’ da empreiteira – setor que administrava o caixa 2 e os pagamentos ocultos do grupo e foi revelado com os avanços da Lava Jato. Mas Melo Filho ainda não falou tudo.

Atuando pela empresa em Brasília desde 2004, ele indicou apenas ma parte da extensa lista de codinomes que cita políticos de todos os principais do País que teriam sido favorecidos de alguma maneira em sua relação com a empreiteira. Pelo menos dezoito apelidos ele não soube ou não quis identificar a quais políticos seriam atribuidos.

O executivo, contudo, indicou de quais Estados seria cada um deles. Além de Melo Filho, outros 76 executivos da empreiteira estão contando o que sabem à Procuradoria-Geral da República e devem revelar muitos outros apelidos. Confira abaixo a lista de Melo Filho:


apelidos1apelidos2

Notícias relacionadas

Mais conteúdo sobre:

operação Lava JatoOdebrechtPGR