Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Politica » Acarajé mira em controladores de contas secretas da Odebrecht que fugiram do País

Política

Politica

JOãO SANTANA

Acarajé mira em controladores de contas secretas da Odebrecht que fugiram do País

Procuradores da força-tarefa da nova fase da Lava Jato apontam que Hilberto Mascarenhas e Fernando Miggliaccio da Silva saíram do Brasil logo após a deflagração da Erga Omnes, em 19 de junho de 2015, quando foi preso Marcelo Bahia Odebrecht

0

Ricardo Brandt, Fausto Macedo e Andreza Matais

22 Fevereiro 2016 | 09h35

Prédio da Odebrecht em São Paulo. Foto: Paulo Whitaker/Reuters

Prédio da Odebrecht em São Paulo. Foto: Paulo Whitaker/Reuters

O Ministério Público Federal informou nesta segunda-feira, 22, que o avanço das investigações que culminaram com a deflagração da Operação Acarajé, 23.ª fase da Lava Jato, revelou ‘novas provas do possível envolvimento do empresário Marcelo Bahia Odebrecht em novos crimes graves, e de que tinha controle sobre os pagamentos feitos no exterior por meio de offshores, as quais ele geria por intermédio pessoas a ele subordinadas e ligadas, direta ou indiretamente, à Odebrecht’.

Odebrecht está preso desde 19 de junho de 2015, quando foi desencadeada a etapa Erga Omnes, da Lava Jato.

[veja_tambem]

Acarajé mira em Hilberto Mascarenhas Alves Silva Filho e Luiz Eduardo Rocha Soares, supostos controladores de contas secretas da Odebrecht. “Suspeita-se que Hilberto Mascarenhas Alves Silva Filho e Luiz Eduardo Rocha Soares, os quais tiveram vínculo formal com a Odebrecht, controlam, em conjunto com outras pessoas, como Fernando Miggliaccio da Silva, a utilização das contas offshores que fizeram pagamentos ocultos no exterior por ordem do Grupo Odebrecht.”

Segundo os procuradores da Acarajé, ‘dentre essas contas usadas estavam as da Klienfeld e da Constructora del Sur’.

“Há indicativos de que Luiz Eduardo e Fernando Migliaccio chegaram a se evadir do País pouco tempo após as buscas e apreensões feitas sobre a empresa em 19 de junho de 2015, suspeitando-se que no caso de Fernando isso tenha acontecido por orientação superior da empresa, a qual pagou suas despesas de mudança e manutenção no exterior.”

COM A PALAVRA, A ODEBRECHT :

“A Odebrecht confirma operação da Polícia Federal em escritórios de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia, para o cumprimento de mandados de busca e apreensão. A empresa está à disposição das autoridades para colaborar com a operação em andamento.”

Comentários