Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Politica » ‘O maior impacto recairá sobre o colarinho-branco’, prevê Moro

Política

‘O maior impacto recairá sobre o colarinho-branco’, prevê Moro

Politica

STF

‘O maior impacto recairá sobre o colarinho-branco’, prevê Moro

Juiz da Operação Lava Jato desqualifica argumento central de advogados e avalia que decisão do Supremo que autoriza prisão de condenado já em segundo grau judicial 'em nada afeta princípio da inocência'

0

Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba, e Fausto Macedo

20 Fevereiro 2016 | 05h06

O juiz federal Sérgio Moro, que conduz os processos da Lava Jato em primeira instância. Foto: Evaristo Sá/AFP

O juiz federal Sérgio Moro, que conduz os processos da Lava Jato em primeira instância. Foto: Evaristo Sá/AFP

O juiz federal Sérgio Fernando Moro, da Operação Lava Jato, prevê que “recairá sobre o colarinho branco” o impacto maior da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que autoriza prisão de condenados em ações criminais já em segunda instância – decisões colegiadas de magistrados.

“O sistema de recursos infinitos é uma patologia brasileira”, afirma o juiz que desmontou longevo esquema de propinas instalado na Petrobrás (2004/2014) e colocou na cadeia políticos, empresários, doleiros e ex-dirigentes da estatal petrolífera.

A decisão da Corte máxima – no julgamento do habeas corpus de um homem acusado de roubo em São Paulo – logo mobilizou a advocacia no País inteiro. Criminalistas e juristas alegam que a medida viola princípio constitucional da presunção de inocência que garante a liberdade do acusado até o esgotamento de todos os recursos, ou seja, até o trânsito em julgado.

“O problema da sistemática anterior, que exigia o trânsito em julgado, era incentivar a interposição de recursos infinitos mesmos por quem não tem razão”, observa Sérgio Moro.

Nessa entrevista ao Estadão, o juiz destaca que ‘sua percepção pessoal é a de que, já há alguns anos, o Supremo sinalizava para a mudança do entendimento anterior”. Ele não vê a decisão da Corte como uma vitória da Lava Jato. “Se ela teve alguma influência na formação do precedente, vejo isso apenas como um efeito colateral muito positivo.”

Estadão – A decisão do Supremo é um recado para o colarinho branco?
Sérgio Fernando Moro – A decisão do Supremo Tribunal Federal, permitindo a prisão para execução da pena após julgamento condenatório por um Tribunal de Apelação, abrange todos os casos criminais, desde os crimes de sangue, aos crimes de organizações criminosas e aos crimes de colarinho branco. É evidente, porém, que, como, em regra, o acesso aos Tribunais Superiores ainda é difícil para pessoas sem elevado poder aquisitivo, o maior impacto da decisão recairá sobre agentes de organizações criminosas ou sobre responsáveis por crimes de colarinho branco.

Estadão – O que muda, na prática?
Moro – O problema da sistemática anterior, que exigia o trânsito em julgado, era incentivar a interposição de recursos infinitos mesmos por quem não tem razão. Como, pelo novo precedente, o recurso ao Tribunal Superior não impede automaticamente a prisão é provável um ganho de eficiência já que retira-se um dos estímulos para recursos infinitos. Apesar disso, apresentado um recurso com plausibilidade, o Tribunal Superior ainda pode excepcionalmente suspender a execução do julgado. O erro da sistemática anterior era tratar isso como regra.

Estadão – Acabou a era em que só pobre ia para a cadeia?
Moro – Tenho repetido que o Supremo Tribunal Federal, louvadamente, fechou uma janela de impunidade. O sistema de recursos infinitos é uma patologia brasileira. Entendo que a questão não deve ser pensada em termos de divisões sociais entre classes. Entretanto, forçoso reconhecer que a sistemática anterior favorecia especialmente o condenado com condições econômicas de sustentar recursos infinitos.

Estadão – A decisão do STF representa um indicativo de novos tempos da Justiça brasileira criminal, na busca pela efetividade?
Moro – A lei deve valer para todos. No processo penal, o inocente deve ser absolvido e o culpado condenado. Se condenado, deve sofrer as consequências. A existência de brechas processuais que permitem impunidade independentemente da culpa do acusado é algo anormal e reprovável, não só no Brasil, mas em qualquer lugar do mundo. Eliminar brechas é algo louvável e, em minha opinião, o Supremo, com todo o respeito à minoria vencida, agiu corretamente, com o olho na realidade do processo penal brasileiro.

Estadão – O sr acredita que a decisão do STF pode gerar insegurança jurídica, ou mesmo atentar contra o direito constitucional da presunção da inocência como alegam os advogados? Por que?
Moro – A presunção de inocência exige que uma condenação criminal seja amparada em prova acima de qualquer dúvida razoável da responsabilidade penal. A decisão do Supremo em nada afeta esse princípio, já que a prisão opera após um julgamento condenatório, por um Tribunal de Apelação, e no qual todas as provas foram consideradas e debatidas. A presunção de inocência também exige que a prisão antes do julgamento seja excepcional. Mas aqui se trata, como dito, de prisão após o julgamento, ainda que não definitivo. O argumento de que o novo precedente viola a presunção de inocência não resiste à rápida análise do Direito Comparado e da história. Nos Estados Unidos e na França, por exemplo, dois dos modernos berços históricos da presunção de inocência, a prisão segue como regra a condenação na primeira instância. Dizer que a decisão do Supremo viola a presunção de inocência equivale, portanto, a afirmar que não existe esta presunção nos Estados Unidos ou na França, o que é argumento inconsistente. Então nas críticas à decisão, há, com todo o respeito aos autores, mais excesso de retórica do que conteúdo argumentativo consistente.

Estadão – O sr disse que a decisão do STF fecha ‘uma das janelas’ da impunidade no Brasil. Que outras janelas permanecem abertas e de que forma elas minam a efetividade da Justiça criminal, em especial contra fraudadores do Tesouro?
Moro – O sistema de Justiça é algo em construção e que sempre pode ser aprimorado. Há vários problemas. Entre eles dificuldade materiais e não necessariamente vinculadas ao Direito. Por exemplo, a falta de maiores recursos materiais à polícia científica para apurar até crimes como homicídios, de baixa taxa de resolução no Brasil. Entre as dificuldades normativas, eu apontaria, para ficar em um exemplo, o foro privilegiado ainda como um problema, considerando o excesso de pessoas contempladas com ele. Apesar de exemplos louváveis de casos com foro que chegaram a bom termo, persiste a dificuldade dos Tribunais Superiores em suportar, além da imensa carga de recursos, o processo e julgamento de casos criminais originários.

Estadão – O novo entendimento da Corte máxima é uma vitória da Lava Jato?
Moro – Não colocaria nesses termos porque o precedente transcende a assim denominada Operação Lavajato e abrange todos os casos criminais similares. Não sei ainda se ela teve alguma influência no precedente. Minha percepção pessoal é a de que, já há alguns anos, o Supremo sinalizava para a mudança do entendimento anterior. Mas se ela teve alguma influência na formação do precedente, vejo isso apenas como um efeito colateral muito positivo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Mais conteúdo sobre:

Comentários