‘O cara falou que tem cinco ministros do Supremo na mão’

‘O cara falou que tem cinco ministros do Supremo na mão’

Em um trecho da longa conversa gravada em 17 de março, executivo Ricardo Saud sugere ao principal acionista da JBS Joesley Batista que um tal 'Zé' explicou que muitos estão 'conversado'

Redação

05 Setembro 2017 | 12h12

Fachada do Supremo Tribunal Federal. Foto: Divulgação

Em um trecho da longa conversa que teve com o principal acionista do grupo JBS, Joesley Batista, o executivo Ricardo Saud incluiu o Supremo Tribunal Federal. Joesley fala, inicialmente, sobre um certo ‘Eduardo’ e que ‘Renan ficou enlouquecido com o Eduardo’.

“O que você falou com ele?”, indagou Joesley.

+ Janot afirma que áudio de 4 horas ‘contém indícios de crime’ de Marcelo Miller

Odebrecht revela a Moro R$ 4 mi ao Instituto Lula debitado de conta de propina

+ FOTOS: PF acha tesouro perdido em bunker de Geddel

Saud emendou. “Nós chegamos lá, conversamos com ele, ele falou da lei, não sabia tanto da lei, falou que em outubro passou a lei lá, mês de abril começou a Lava Jato. Ah, ele falou dessa lei, o filho da puta me gozando. O Zé tentou me explicar lá, vou ler depois. O cara falou que tem cinco ministros do Supremo na mão dele, inclusive muitos conversado, não é só palavreado não.’

Ricardo Saud. Foto: Reprodução

Joesley Batista. FOTO: AYRTON VIGNOLA/AE

Na avaliação preliminar dos investigadores, porém, esse trecho do diálogo entre Joesley e Ricardo Saud pode não ter consequência. Nesta segunda-feira, 4, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, classificou de ‘indevida’ a menção à Corte máxima, ao comunicar a existência do áudio e a possibilidade de rescisão do acordo de colaboração premiada dos executivos da JBS.

“Áudios com conteúdo grave, eu diria gravíssimo, foram obtidos pelo Ministério Público Federal na semana passada, precisamente quinta-feira, às 19h. A análise de tal gravação revelou diálogo entre dois colaboradores com referências indevidas à Procuradoria-Geral da República e ao Supremo Tribunal Federal.”

Mais conteúdo sobre:

operação Lava Jato