‘O caminho que leva à liberdade e à integridade tem obstáculos’, diz Raquel

‘O caminho que leva à liberdade e à integridade tem obstáculos’, diz Raquel

Procuradora-geral da República, que tomou posse nesta segunda-feira, 18, prega 'resiliência e coragem'

Redação

18 Setembro 2017 | 10h49

Raquel Dodge. Foto: Dida Sampaio/Estadão

A procuradora-geral da República Raquel Dodge prevê ‘trabalho cotidiano e extenuante’ pela frente. Primeira mulher no cargo, ela tomou posse nesta segunda-feira, 18, na cadeira que foi ocupada durante quatro anos por Rodrigo Janot, que não foi à cerimônia.

“No ofício que ora assumo, o trabalho será cotidiano e extenuante. Precisaremos da ajuda de todos os membros e servidores do Ministério Público, pois a grandeza dessa nação tem sido construída de modo árduo e aprendemos que o caminho que leva à liberdade e à integridade tem obstáculos que só podem ser superados com resiliência e coragem.”

Janot ataca ‘larápios‘ e ‘escroques’ que ocupam ‘vistosos cargos’

Temer diz a Raquel que ir além dos limites da Constituição é ‘abuso de autoridade’

Harmonia entre poderes é requisito para estabilidade da nação, afirma Raquel

Homem forte de Raquel tira ao menos dois de Janot

Acuado pelas flechadas de Janot, Temer defende ‘preservação da dignidade humana’

Raquel ficou em segundo lugar na lista tríplice da eleição ao cargo, atrás do subprocurador-geral da República Nicolao Dino, preferido de Janot, mas foi indicada pelo presidente Michel Temer (PMDB). A eleição é tradicionalmente promovida pela Associação Nacional dos Procuradores da República. No Senado, ela teve aprovação de 74 senadores.

Dodge integra o Ministério Público Federal há três décadas e chegou a liderar as investigações, por exemplo, da Operação Caixa de Pandora, que mirou o ‘Mensalão do DEM’, e prendeu o ex-governador José Roberto Arruda, enquanto exercia o cargo, em 2009.

“No ofício que ora assumo, o trabalho será cotidiano e extenuante. Precisaremos da ajuda de todos os membros e servidores do Ministério Público, pois a grandeza dessa nação tem sido construído de modo árduo”, afirmou a nova-procuradora-geral.

Mais conteúdo sobre:

operação Lava JatoMichel Temer