‘Nunca pedi propina’, afirma presidente da Eletronuclear

Preso desde terça, 28, por suspeita de ter recebido R$ 30 milhões nas obras de Angra3, almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva disse à PF que se sente 'profundamente consternado' com acusações da Operação Lava Jato

Redação

31 Julho 2015 | 17h08

Othon Luiz Pinheiro da Silva. Foto: Beto Barata/AE

Othon Luiz Pinheiro da Silva. Foto: Beto Barata/AE

Por Valmar Hupsel Filho e Julia Affonso

Preso desde terça-feira, 28, quando foi deflagrada a 16ª fase da Operação Lava Jato, o presidente licenciado da Eletronuclear, almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva, negou à Polícia Federal ter recebido propinas para facilitar o acesso privilegiado a construtoras no contrato de construção de parte das obras da usina de Angra 3. Ao determinar a prisão temporária do almirante, o juiz federal Sérgio Moro levou em consideração as acusações da força-tarefa da Lava Jato, que afirma ter mapeado R$ 4,5 milhões em propinas recebidas pelo almirante reformado.


Os investigadores suspeitam que o presidente licenciado da estatal pode ter recebido até R$ 30 milhões de empreiteiras que integram o Consórcio Angramon. Os recursos teriam transitado por empresas de fachada até aportar no caixa da Aratec Engenharia e Consultoria, fundada pelo almirante, hoje sob controle de uma filha dele.

No depoimento prestado nesta quinta-feira, 30, Othon Pinheiro afirmou que “nunca recebeu nenhuma orientação de alguém da Eletrobrás, do Governo Federal ou dos partidos políticos para que cobrasse das empresas que compunham o consórcio Angramon alguma doação a políticos ou partidos”.

Pinheiro declarou ainda que “nunca solicitou ou exigiu qualquer vantagem econômica para si ou sua família”. Diante das acusações de que teria recebido propina, o presidente da Eletronuclear afirmou estar “profundamente consternado, pois nunca agiria dessa forma”. Ele argumentou que tem ‘uma atuação profissional reconhecida e de longa data’. Othon Pinheiro é referência no meio acadêmico brasileiro em energia nuclear.

Ele afirmou que resistiu e não cedeu a ‘grandes pressões’ quando a construtora Andrade Gutierrez resolveu paralisar as obras de Angra 3. Se houvesse algum conluio, exemplificou, ‘não teria os embates que teve em todo esse processo’.

O almirante argumentou ainda que possui conhecimentos que lhe permitiriam ganhar “muito mais do que os valores que o acusam ter recebido”.

Othon Pinheiro defendeu, do ponto de vista econômico, a metodologia usada no modelo de construção de Angra 3. Segundo ele, “o que se pagou em Angra 2 daria para construir duas usinas de Angra 3 e ainda sobraria R$ 5 bilhões, segundo dados da Aneel, referidos a dezembro de 2012”.

Ele afirmou que desde antes de 2005 já prestava consultoria por meio de sua empresa, a Aratec Engenharia, e que, ao entrar para a Eletronuclear deixou a empresa para a filha, Ana Cristina, que tinha interesse em abrir uma companhia na área de traduções. Sobre os pagamentos à Aratec listados pelo Ministério Público, ele afirmou que “são relacionados a trabalhos prestados por sua filha na área de traduções, ou de engenharia por parte de seu genro”.

O almirante disse que seu afastamento da estatal, em abril, ‘foi motivado pelo interesse de não prejudicar a Eletronuclear’, a partir da citação seu nome na delação premiada do ex-presidente da Camargo Corrêa, Dalton dos Santos Avancini.