‘No final do governo PSDB houve uma compra escandalosa da Petrobrás na Argentina’

‘No final do governo PSDB houve uma compra escandalosa da Petrobrás na Argentina’

Assista ao depoimento em que ex-diretor da Petrobrás detalha esquemas de corrupção

Gustavo Aguiar, de Brasília

06 Junho 2016 | 20h15

Em sua delação à Procuradoria-Geral da República, o ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró detalhou esquemas de corrupção na Petrobrás e na BR Distribuidora desde a década de 1990 e não poupou partidos nem políticos ao entregar nomes e contratos onde terão ocorrido desvios milionários.

Dentre as obras e operações citadas pelo delator está a compra da refinaria Argentina Perez Compec pela Petrobrás no final do governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB) que teria gerado propina de US$ 100 milhões ao governo FHC, a maior propina envolvendo um único negócio na estatal revelada até agora nos mais de dois anos da Lava Jato. “No final do governo PSDB houve uma compra escandalosa da Petrobrás na Argentina”, disse aos investigadores.

O ex-presidente Fernando Henrique rechaça qualquer irregularidade na compra. Veja a nota divulgada por ele na época:

“Não tenho a menor ideia da matéria. Na época o presidente da Petrobrás era Francisco Gros, pessoa de reputação ilibada e sem qualquer ligação politico partidária. Afirmações vagas como essa, que se referem genericamente a um período no qual eu era presidente e a um ex-presidente da Petrobras já falecido, sem especificar pessoas envolvidas, servem apenas para confundir e não trazem elementos que permitam verificação”.


O TRECHO DO DEPOIMENTO DE CERVERÓ: 

 

Mais conteúdo sobre:

FHCNestor CerveróPSDB