‘Não pode pairar uma dúvida sequer sobre os ministros do Supremo’

‘Não pode pairar uma dúvida sequer sobre os ministros do Supremo’

Leia a íntegra da manifestação do decano do STF, na sessão desta quarta, 6, em apoio à ordem da presidente Cármen Lúcia para investigações sobre a citação a magistrados da Corte máxima pelos delatores da JBS

Rafael Moraes Moura, Breno Pires, Beatriz Bulla e Luiz Vassallo

07 Setembro 2017 | 11h41


Na sessão desta quarta-feira, 6, Celso de Mello, decano do Supremo Tribunal Federal, declarou expressamente apoio à presidente da Corte, Cármen Lúcia, que deu ordens para investigar as citações a magistrados do STF pelos delatores da JBS, Joesley Batista e Ricardo Saud.

Documento

As citações estão no áudio de quatro horas que chegou à Procuradoria-Geral da República na quinta-feira, 31 de agosto. É a gravação de um longo bate papo entre Joesley e Saud. Acuados por investigações que põem sob suspeita o grupo empresarial, eles falam de tudo, inclusive de como tentar neutralizar o Supremo. Este é o ponto nuclear da reviravolta do caso JBS.

“As graves insinuações que transparecem dos diálogos mantidos por determinados agentes colaboradores mostram-se impregnadas de elementos que se não forem cabalmente esclarecidos culminarão por injustamente expor esta Corte e os magistrados que a integram ao juízo severo, inapelável e negativo da própria cidadania”, alerta Celso de Mello.

O ministro mais antigo da Casa – ele está lá desde agosto de 1989 – considera que sobre os magistrados do Supremo ‘não pode pairar uma dúvida sequer, por mais tênue que seja, a propósito de sua respeitabilidade, de sua integridade moral e profissional, de sua honorabilidade, e de sua mais completa isenção e imparcialidade’.