MPF dá ultimato e cobra R$ 11,1 bilhões para fechar acordo com Grupo J&F

MPF dá ultimato e cobra R$ 11,1 bilhões para fechar acordo com Grupo J&F

O MPF quer R$ 11,1 bilhões e a empresa quer pagar R$ 1 bilhão, os investigadores informaram aos negociadores que a empresa tem até às 23:59:59 de hoje para pagar

Fabio Serapião, Fábio Fabrini e Beatriz Bulla

19 Maio 2017 | 16h05

Joesley Batista, da JBS Friboi. Foto: Paulo Giandalia/Estadão

O Ministério Público Federal (MPF) do Distrito Federal divulgou uma nota de esclarecimento sobre a negociação do acordo de leniência entre o Grupo J&F e a Justiça. Segundo a nota, o acordo ainda não foi fechado e a negociação está travada por conta dos valores a serem pagos pela empresa. O MPF quer R$ 11,1 bilhões e a empresa quer pagar R$ 1 bilhão.

Por conta da divergência, os investigadores informaram aos negociadores que a empresa tem até às 23:59:59 desta sexta-feira, 19, para responder se aceitará o valor sugerido pelo MPF. Se isso não acontecer, o MPF diz que considerará expirada a proposta.

“Os procuradores que representam o MPF na negociação defendem o pagamento de R$ 11,169 bilhões, a serem pagos no prazo de dez anos. O valor é equivalente a 5,8% do faturamento obtido pelo grupo econômico em 2016. Já os representantes da J&F propuseram pagar R$ 1 bilhão, o que equivale a 0,51% do faturamento registrado no período”, explica o MPF.


As conversas para formulação de acordo, segundo o MPF, começaram no fim do mês de fevereiro e aconteceram de forma paralela às negociações para a colaboração premiada – procedimento já homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A colaboração premiada é assinada pelos diretos e pessoas físicas ligadas à empresa que teriam praticado crimes.

Por sua vez, o acordo de leniência é o caminho para a empresa assumir os crimes de sua pessoa jurídica e ficar imune as punições relacionadas ás atividades ilícitas. “Nos últimos dois dias, as reuniões com vistas à leniência se intensificaram. Entretanto, surgiu um impasse em relação ao valor da multa a ser paga pela empresa”, completa o MPF.