Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Politica » Moro revoga prisão de pagador de João Santana no exterior

Política

Moro revoga prisão de pagador de João Santana no exterior

Politica

JOãO SANTANA

Moro revoga prisão de pagador de João Santana no exterior

Juiz da Lava Jato acatou argumento da defesa do executivo Marcelo Rodrigues, responsável por controlar a offshore utilizada pela Odebrecht para pagamentos ao marqueteiro no exterior, e determinou que ele preste depoimento à PF

0

Mateus Coutinho e Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba

25 Fevereiro 2016 | 12h08

Juiz federal Sérgio Moro. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Juiz federal Sérgio Moro. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

O juiz Sérgio Moro revogou nesta quinta-feira, 25, a ordem de prisão temporária do empresário Marcelo Rodrigues, preso na Operação Acarajé, 23ª fase da Lava Jato deflagrada na segunda-feira, 22, sob suspeita do Ministério Público Federal de ser o representante da offshore Klienfield Services – empresa no exterior ligada à Odebrecht e que fez pagamentos de US$ 3 milhões ao marqueteiro João Santana entre 2012 e 2013.

O juiz também determinou que o empresário contate “imediatamente” as autoridades policiais “colocando-se à disposição para prestar depoimento”. Apesar de ter a prisão decretada, Rodrigues não foi localizado na segunda e ainda não havia sido preso até hoje.

Documento

A decisão de Moro acata o argumento da defesa de Rodrigues, que teve quatro residências alvo de buscas na última segunda. A defesa do executivo apontou que como as buscas já foram realizadas não seria mais necessário manter a prisão e que ele assinou apenas um contrato pela Klienfield, em 2013.

” Considerando cumulativamente que as buscas foram concluídas e que o investigado aparentemente teria um papel menor nos fatos, resolvo atender ao requerido para revogar a prisão temporária”, assinalou Moro na decisão.

A conta Klienfield Services foi rastreada pelo Ministério Público da Suíça que, em colaboração com as autoridades brasileiras, encaminhou as informações sobre a offshore para a força-tarefa da Lava Jato. Segundo as investigações rastrearam, a empresa seria utilizada pela Odebrecht para o pagamento de propinas no exterior no esquema de corrupção na Petrobrás. Além de ex-funcionários da estatal, a força-tarefa identificou repasses da empresa para uma offshore ligada a João Santana e sua esposa Mônica Moura, a Shellbill Finance, nos EUA, no total de US$ 3 milhões.

Além dos repasses da Odebrecht, o marqueteiro também recebeu US$ 4,5 milhões, entre 2012 e 2014, em suas contas no exterior do lobista Zwi Skornicki, que também operacionalizou o pagamento de propinas a ex-diretores da Petrobrás no esquema de corrupção.

A Odebrecht vem negando veementemente o envolvimento em irregularidades.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários