1. Usuário
Fausto Macedo
Assine o Estadão
assine
Fausto Macedo

Fausto Macedo

Repórter

EM ALTA

Operação Lava Jato

Moro manda soltar empresário que picava provas

Por Ricardo Brandt e Fausto Macedo

05/02/2016, 15h00

   

Ademir Auada, investigado na Operação Triplo X, que mira em tríplex que seria de Lula, foi preso pela PF por suspeita de criar offfshores

Ademir Auada, um dos alvo da Triplo X, 22ª fase da Operação Lava Jato, em Curitiba. Foto: SUELLEN LIMA/FRAMEPHOTO

Ademir Auada, um dos alvo da Triplo X, 22.ª fase da Operação Lava Jato, em Curitiba. Foto: SUELLEN LIMA/FRAMEPHOTO

O juiz federal Sérgio Moro mandou soltar o empresário Ademir Auada, preso no dia 28 de janeiro na Operação Triplo X, desdobramento da Lava Jato que investiga esquema de offshores em paraísos fiscais e mira no tríplex 164-A, no Guarujá, que seria do ex-presidente Lula.

O juiz da Lava Jato tomou a decisão porque a força-tarefa da Procuradoria da República não requereu prisão preventiva de Auada, preso em regime temporário.

GRAMPO-TRIPLOX

Também foi ordenada a soltura da publicitaria Nelci Warken, suposta laranja da empresa Mossack Fonseca na propriedade de um tríplex vizinho ao que seria de Lula no condomínio Solaris, na praia das Astúrias.

Ademir Auada caiu no grampo da Triplo X comentando com a filha Carolina que havia destruído tantas provas documentais que até quebrou a máquina picadora de papéis.

 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.