Moro manda prender mais dois em execução de pena

Moro manda prender mais dois em execução de pena

Juiz da Lava Jato autorizou a transferência de Leon Vargas, irmão do ex-deputado André Vargas (PT-PR), e do publicitário Ricardo Hoffman para o Complexo Médico-Penal, de Curitiba

Fausto Macedo, Julia Affonso, Ricardo Brandt e Luiz Vassallo

27 Fevereiro 2018 | 12h23

Ricardo Hoffman. Foto: Reprodução

O juiz federal Sérgio Moro mandou prender na segunda-feira, 26, mais dois alvos da Operação Lava Jato em execução de pena após condenação pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4). O magistrado autorizou a transferência do empresário Leon Vargas, irmão do ex-deputado André Vargas (ex-PT-PR), e do publicitário Ricardo Hoffman para o Complexo Médico-Penal, de Curitiba, onde estão os presos da operação.

Documento

Leon Vargas se apresentou à Polícia Federal, em Curitiba, na segunda.

“Exaurida a segunda instância após o julgamento de embargos de declaração contra o acórdão dos infringentes, as penas devem ser executadas como previsto expressamente no acórdão condenatório. Não cabe a este Juízo discutir a ordem”, anotou Moro.

“Agrego apenas que tratando-se de crimes de gravidade, inclusive corrupção e lavagem de dinheiro, a execução após a condenação em segundo grau impõe-se sob pena de dar causa a processos sem fim e a, na prática, impunidade de sérias condutas criminais.”

Lula entrega ‘carta’ de Vaccari a Tribunal da Lava Jato

‘Não é verdade que intermediei recebimento de triplex em nome de Lula’

A Corte de 2.ª instância condenou André Vargas, por corrupção passiva e lavagem, a 13 anos, dez meses e 24 dias de reclusão em regime inicial fechado. Leon Vagas pegou, pelos mesmos crimes, dez anos, dez meses e 12 dias em regime inicial fechado. Ricardo Hoffman foi condenado por corrupção ativa e lavagem a 13 anos, dez meses e vinte e quatro dias de reclusão em regime inicial fechado.

André Vargas está custodiado desde abril de 2015. Por isso, Moro não mandou expedir um novo mandado de prisão.

Segundo a acusação da Lava Jato,o ex-deputado recebeu cerca de R$ 1 milhão como vantagem indevida de Ricardo Hoffman, então dirigente da agência de publicidade Borghi e Lowe. André Vargas teria sido auxiliado por Leon Vargas.

“Parte da responsabilidade pela instauração da corrupção sistêmica e descontrolada no Brasil foi a inefetividade dos processos criminais por crimes de corrupção e lavagem no Brasil”, afirmou o juiz da Lava Jato. “Assim e obedecendo à Corte de Apelação, expeça a Secretaria os mandados de prisão para execução provisória da condenação de Leon Denis Vargas Ilário e Ricardo Hoffmann.”

A defesa de Leon Vargas não se manifestou. A reportagem está tentando localizar as defesas de André Vargas e Ricardo Hoffman. O espaço está aberto para manifestação.