Moro estende por mais 5 dias a prisão de irmão de ex-ministro

Medida atinge também Roberto Bob Marques, braço direito do ex-ministro chefe da Casa Civil (Governo Lula), alvo na Operação Pixuleco

Redação

07 Agosto 2015 | 18h52

luiz eduardo

Por Fausto Macedo, Julia Affonso e Ricardo Brandt

O juiz federal Sérgio Moro, que conduz as ações da Operação Lava Jato, prorrogou na tarde desta sexta-feira, 7, a prisão temporária do irmão do ex-ministro José Dirceu (Casa Civil/Governo Lula), Luiz Eduardo Oliveira e Silva, por mais 5 dias. A medida alcança também o braço direito de Dirceu, Roberto Bob Marques, e de Pablo Alejandro Kipersmit.


Os investigadores alegaram necessidade de mais tempo para analisar a documentação apreendida durante buscas no início da semana.

Todos são investigados na Operação Pixuleco e foram presos temporariamente na última segunda-feira, 3. O juiz Moro atendeu pedido da Polícia Federal e da Procuradoria da República para prorrogação da prisão dos investigados.

O juiz da Lava Jato ressalta que a prorrogação da temporária não visa arrancar delações premiadas. “A medida, por evidente, não tem por objetivo forçar confissões. Querendo, poderão os investigados permanecer em silêncio durante o período da prisão, sem qualquer prejuízo a sua defesa”.

Ele alertou. “Não haverá, por evidente, nova prorrogação.”

O próprio ex-ministro José Dirceu é o alvo maior da Pixuleco. Ele foi preso em regime preventivo.

 

Mais conteúdo sobre:

José Dirceuoperação Lava Jato