1. Usuário
Fausto Macedo
Assine o Estadão
assine
Fausto Macedo

Fausto Macedo

Repórter

EM ALTA

Operação Lava Jato

Moro intima Lula para depor como testemunha de amigo preso na Lava Jato

Por Fausto Macedo e Ricardo Brandt

11/02/2016, 20h13

   

Ex-presidente foi arrolado pela defesa do pecuarista José Carlos Bumlai, alvo da Operação Passe Livre pelo empréstimo fraudulento de R$ 12 milhões no Banco Schahin para o PT; depoimento será por videoconferência

Lula e Bumlai. Foto: Reprodução

Foto de Lula e Bumlai apreendida pela Polícia Federal, nas buscas feitas em endereços do pecuarista, em novembro. Foto: Reprodução

O juiz federal Sérgio Moro, da Operação Lava Jato, marcou para o dia 14 de março às 9h30 depoimento do ex-presidente Lula como testemunha de defesa do pecuarista José Carlos Bumlai – réu em ação penal por corrupção e gestão fraudulenta de instituição financeira.

Bumlai e Lula são amigos desde 2002. O pecuarista foi preso em 24 de novembro na Operação Passe Livre, desdobramento da Lava Jato.

Lula vai depor por videoconferência, ou seja, ele não vai ficar frente a frente com o magistrado da Lava Jato. Para agilizar os processos sob sua tutela, Moro tem realizado rotineiramente audiências por videoconferência.

Trecho lula testemunha

Bumlai admitiu à Polícia Federal ter tomado empréstimo de R$ 12 milhões em outubro de 2004 no Banco Schahin. Ele afirmou que o destinatário de todo o dinheiro foi o PT. Na ocasião, o partido estava com dificuldades de caixa, devendo para fornecedores da campanha que elegeu Lula presidente dois anos antes.

A PF e o Ministério Público Federal sustentam que em troca do “socorro” financeiro para o PT, o Grupo Schahin foi beneficiado com um contrato de operação do navio-sonda Vitória 10000, sem licitação, ao preço de US$ 1,6 bilhão.

Em resposta à acusação da Procuradoria da República, a defesa de Bumlai afirmou ao juiz federal Sérgio Moro. “A proximidade entre Bumlai e Lula sempre foi muito explorada pelos que, maliciosamente, viam nela a oportunidade de encontrar malfeitos que pudessem ser atribuídos ao segundo, seja durante, seja depois de seus dois mandatos. Nesse período, não foram poucas as insinuações e por vezes até imputações de que o defendente seria um intermediário de negócios escusos de interesse do ex-chefe do Executivo.”

“Na verdade – prosseguiu a defesa -, o crime é ser amigo de Lula e, pasme, Juiz, existe até fotografia de ambos numa festa junina, tornando irretorquível a consumação do delito do artigo 362 do Código Penal. Sua ameaça à ordem pública consiste em seu potencial de, no crescendo da indignação, delatar o ex-presidente de alguma forma. Esta é a essência deste processo.”

 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.