Ministro nega liminares e mantém na cadeia Picciani e Paulo Melo

Ministro nega liminares e mantém na cadeia Picciani e Paulo Melo

Félix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça, rejeitou pedido da defesa dos deputados do PMDB do Rio, presos na Operação Cadeia Velha, deflagrada no dia 21 por suspeita de propinas milionárias do setor de transporte público

Luiz Vassallo e Julia Affonso

28 Novembro 2017 | 16h34

Jorge Picciani e Paulo Melo. Fotos: Tania Rego/Agência Brasil e Fabio Motta/Estadão

O ministro Félix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça, rejeitou liminar em habeas corpus e manteve na prisão os deputados estaduais do Rio pelo PMDB Jorge Picciani e Paulo Melo – presos na Operação Cadeia Velha em 21 de novembro por suspeita de propinas milionárias do setor de transporte público.

Fischer pediu informações ao Tribunal Regional Federal da 2.ª Região (TRF2) – Corte que decretou a prisão dos parlamentares – e manifestação do Ministério Público Federal.

Assessor de Picciani diz ‘não lembrar’ o que fez com R$ 100 mil que sacou da conta de Paulo Melo

R$ 55 mil em dinheiro vivo em casa são diária de táxi, diz assessor especial de Picciani

O TRF2 também mandou prender um terceiro deputado do PMDB Edson Albertassi.

Os três estão na cadeia pública de Benfica, no Rio.

+ Filho de Picciani diz à PF que foi ao TCE ‘falar de gado’ com conselheiro

Rua do Carmo, 6, Rio, endereço do comitê de Paulo Melo ‘Pinguim’ e de entrega da propina

Paulo Melo, da propina de R$ 50 mi, diz à PF que sua renda vem de salários, alugueis e peixes

Picciani deixava talão de cheques em branco, relata gerente

Eles haviam sido presos pela primeira vez no dia 16, mas seus colegas da Assembleia Legislativa do Rio os livraram e derrubaram a ordem do TRF2.

No dia 21, a Corte federal restabeleceu o decreto de prisão dos três deputados peemedebistas.

O ministro Fischer decidiu em pedidos de habeas corpus para Picciani e Paulo Melo.

Quando os autos retornarem ao STJ, o ministro vai levar os pedidos de habeas para julgamento da Quinta Turma da Corte superior.