1. Usuário
Fausto Macedo
Assine o Estadão
assine
Fausto Macedo

Fausto Macedo

Repórter

EM ALTA

Aécio Neves

Marcelo Odebrecht cogitou ‘acionar’ irmã de Aécio em debate presidencial em 2014, diz executivo à PF

Por Mateus Coutinho, Julia Affonso e Ricardo Brandt

21/03/2016, 18h43

   

Benedicto Barbosa, presidente da Odebrecht Infraestrutura e que teve diálogos com o dono do grupo interceptados pela Polícia Federal, deu detalhes sobre os políticos aos quais eles se referiam nas conversas

Marcelo Bahia Odebrecht, em depoimento ao juiz federal Sérgio Moro

Marcelo Bahia Odebrecht, em depoimento ao juiz federal Sérgio Moro

Em depoimento à Polícia Federal no dia 24 de fevereiro, o presidente da Odebrecht Infraestrutura, Benedicto Barbosa Silva Júnior, preso na Operação Acarajé – 23ª fase da Lava Jato – disse que o dono do grupo, Marcelo Odebrecht ficou “indignado” com a fala de Dilma sobre o financiamento do Porto de Mariel, em Cuba, durante debate eleitoral em 2014.

Ainda segundo o executivo, Odebrecht cogitou acionar a irmã do então candidato tucano Aécio Neves para “prestar os devidos esclarecimentos”. “Marcelo ficou indignado com afirmação feita pela Presidente sobre o fornecimento de garantias em obras internacionais e cogitou que fosse acionada a irmã de Aécio Neves para que fossem prestados os devidos esclarecimentos, a fim de mostras que a afirmativa da presidente no debate era falsa’, afirmou o executivo aos investigadore

Benedicto decidiu citar o episódio ao final de seu depoimento, quando o delegado indagou se ele teria algo a acrescentar. O executivo, então, explicou algumas das trocas de mensagens de celular que manteve com Odebrecht e que foram interceptadas pela Polícia Federal e serviram de base para 23ª fase da Lava Jato.

O TRECHO DO DIÁLOGO QUE CITA A “IRMÔ

dialogobenedictoaecio2

Em um dos diálogos, durante o debate do segundo turno entre Dilma e Aécio no dia 24 de outubro, Marcelo Odebrecht manifesta a Benedicto sua indignação. “Ela (Dilma) está mentindo. Passe um torpedo para a irmã (do Aécio). O financiamento e as garantias são do governo de Cuba. Aliás melhor deixar quieto, vai que ela mostra seu torpedo para alguém lá!”, disse o dono da Odebrecht. Até então, não se sabia que a “irmã” na mensagem seria uma parente do tucano.

É a primeira vez que um executivo da empreiteira identifica políticos e parentes nos diálogos mantidos com Marcelo Odebrecht. À PF, contudo, Benedicto não deixa claro qual seria a irmã do tucano, já que Aécio tem duas. Para os investigadores da Lava Jato, o executivo seria o nome acionado por Marcelo Odebrecht “para a tratativa de assuntos escusos”, diz a Polícia Federal no relatório que embasou a 23ª fase da Lava Jato.

Em sua delação premiada, o senador e ex-líder do governo no Senado Delícidio Amaral (sem partido-MS) afirmou que a irmã mais velha de Aécio, Andréa Neves e a “mentora infelectual” do tucano e que “estava por trás” do governo de Minas nas gestões do hoje senador mineiro. Ela ficou conhecida por coordenar a área de comunicação e assessoria de imprensa do governo do irmão em Minas.

Obra. Localizado a 45 quilômetros de Havana, capital de Cuba, o porto de Mariel é a grande aposta do país de regime comunista para mudar sua economia. Custou US$ 957 milhões e, deste total, US$ 682 milhões foram financiados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Da quantia financiada pelo BNDES para a construção de Mariel, pelo menos US$ 802 milhões serão gastos no Brasil na compra de bens e serviços comprovadamente brasileiros, de acordo com informações do governo. Por causa desse acordo, empresas brasileiras se dispuseram a participar do empreendimento, mediante a exportação dos serviços que prestam e dos bens fabricados no Brasil.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de Aécio, mas a irmã dele estava em viagem e não foi localizada ainda para comentar o caso.

 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.