Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Politica » Marcelo Odebrecht cogitou ‘acionar’ irmã de Aécio em debate presidencial em 2014, diz executivo à PF

Política

Marcelo Odebrecht cogitou ‘acionar’ irmã de Aécio em debate presidencial em 2014, diz executivo à PF

Politica

AéCIO NEVES

Marcelo Odebrecht cogitou ‘acionar’ irmã de Aécio em debate presidencial em 2014, diz executivo à PF

Benedicto Barbosa, presidente da Odebrecht Infraestrutura e que teve diálogos com o dono do grupo interceptados pela Polícia Federal, deu detalhes sobre os políticos aos quais eles se referiam nas conversas

0

Mateus Coutinho, Julia Affonso e Ricardo Brandt

21 Março 2016 | 18h43

Marcelo Bahia Odebrecht, em depoimento ao juiz federal Sérgio Moro

Marcelo Bahia Odebrecht, em depoimento ao juiz federal Sérgio Moro

Em depoimento à Polícia Federal no dia 24 de fevereiro, o presidente da Odebrecht Infraestrutura, Benedicto Barbosa Silva Júnior, preso na Operação Acarajé – 23ª fase da Lava Jato – disse que o dono do grupo, Marcelo Odebrecht ficou “indignado” com a fala de Dilma sobre o financiamento do Porto de Mariel, em Cuba, durante debate eleitoral em 2014.

Ainda segundo o executivo, Odebrecht cogitou acionar a irmã do então candidato tucano Aécio Neves para “prestar os devidos esclarecimentos”. “Marcelo ficou indignado com afirmação feita pela Presidente sobre o fornecimento de garantias em obras internacionais e cogitou que fosse acionada a irmã de Aécio Neves para que fossem prestados os devidos esclarecimentos, a fim de mostras que a afirmativa da presidente no debate era falsa’, afirmou o executivo aos investigadore

Benedicto decidiu citar o episódio ao final de seu depoimento, quando o delegado indagou se ele teria algo a acrescentar. O executivo, então, explicou algumas das trocas de mensagens de celular que manteve com Odebrecht e que foram interceptadas pela Polícia Federal e serviram de base para 23ª fase da Lava Jato.

O TRECHO DO DIÁLOGO QUE CITA A “IRMÔ

dialogobenedictoaecio2

Em um dos diálogos, durante o debate do segundo turno entre Dilma e Aécio no dia 24 de outubro, Marcelo Odebrecht manifesta a Benedicto sua indignação. “Ela (Dilma) está mentindo. Passe um torpedo para a irmã (do Aécio). O financiamento e as garantias são do governo de Cuba. Aliás melhor deixar quieto, vai que ela mostra seu torpedo para alguém lá!”, disse o dono da Odebrecht. Até então, não se sabia que a “irmã” na mensagem seria uma parente do tucano.

[veja_tambem]

É a primeira vez que um executivo da empreiteira identifica políticos e parentes nos diálogos mantidos com Marcelo Odebrecht. À PF, contudo, Benedicto não deixa claro qual seria a irmã do tucano, já que Aécio tem duas. Para os investigadores da Lava Jato, o executivo seria o nome acionado por Marcelo Odebrecht “para a tratativa de assuntos escusos”, diz a Polícia Federal no relatório que embasou a 23ª fase da Lava Jato.

Em sua delação premiada, o senador e ex-líder do governo no Senado Delícidio Amaral (sem partido-MS) afirmou que a irmã mais velha de Aécio, Andréa Neves e a “mentora infelectual” do tucano e que “estava por trás” do governo de Minas nas gestões do hoje senador mineiro. Ela ficou conhecida por coordenar a área de comunicação e assessoria de imprensa do governo do irmão em Minas.

Obra. Localizado a 45 quilômetros de Havana, capital de Cuba, o porto de Mariel é a grande aposta do país de regime comunista para mudar sua economia. Custou US$ 957 milhões e, deste total, US$ 682 milhões foram financiados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Da quantia financiada pelo BNDES para a construção de Mariel, pelo menos US$ 802 milhões serão gastos no Brasil na compra de bens e serviços comprovadamente brasileiros, de acordo com informações do governo. Por causa desse acordo, empresas brasileiras se dispuseram a participar do empreendimento, mediante a exportação dos serviços que prestam e dos bens fabricados no Brasil.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de Aécio, mas a irmã dele estava em viagem e não foi localizada ainda para comentar o caso.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários