Maluf voa para casa

Maluf voa para casa

Deputado afastado do PP, condenado a 7 anos, nove meses e dez dias de prisão por lavagem de dinheiro, está sendo transferido daqui a pouco de Brasília para São Paulo, onde vai cumprir pena em regime domiciliar

Dida Sampaio, Luci Ribeiro, Rafael Moraes Moura/BRASÍLIA e Julia Affonso

30 Março 2018 | 12h09

Paulo Maluf. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADAO

O deputado afastado Paulo Maluf, 86 anos, foi transferido de Brasília para São Paulo neste sexta-feira, 30, onde vai cumprir pena em regime de prisão domiciliar humanitária por ordem do ministro Dias Toffoli, do Supremo.

Condenado a 7 anos, nove meses e dez dias por crime de lavagem de dinheiro quando exercia o cargo de prefeito de São Paulo (1993/1996), Maluf estava preso em regime fechado desde o dia 22 de dezembro, por ordem de outro ministro da Corte, Edson Fachin.

Paulo Maluf. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADAO

‘O que está acontecendo com o STF?’, questiona procurador após Maluf em casa

Na última quarta-feira, 28, Toffoli deu liminar e autorizou ‘prisão domiciliar humanitária’ para o parlamentar.

Nesta sexta-feira, 30, Maluf teve alta do hospital particular para onde foi levado na madrugada da quarta, 28. A defesa alega que Maluf tem a saúde muito fragilizada, com diversas complicações.

 

No hospital, o parlamentar foi submetido a um procedimento de infiltração de corticoide na coluna lombar para aliviar dores causadas por uma hérnia de disco, o que tem limitado sua mobilidade. Durante a internação, Maluf também apresentou desconforto respiratório, com necessidade do uso de oxigênio suplementar, passou por exames e agora, depois de três dias, foi liberado pelos médicos.

Ainda debilitado, Maluf precisou de ajuda para se locomover e para entrar no jato. Ele deve seguir com acompanhamento médico em São Paulo.

Na capital paulista, Maluf irá direto para sua casa.

No jatinho particular que o trará a São Paulo, o ex-prefeito está acompanhado de dois advogados, de um antigo assessor e de um médico.

COM A PALAVRA, A DEFESA

“Em cumprimento à decisão do Supremo Tribunal Federal, o médico particular do deputado Paulo Mafuf, Sérgio Nahas, e o advogado Jorge Nemr, foram a Brasília nesta sexta-feira (30/3), para acompanhar o deslocamento do deputado em direção a São Paulo, onde cumprirá prisão domiliciar.”

Os advogados do deputado, Ricardo Tosto, Jorge Nemr e Antonio Carlos Kakay dizem que Maluf ‘ainda está debilitado’.

“O ideal seria que ele fosse diretamente ao hospital para exames. Isto será requisitado ao STF e ao juiz responsável pela execução penal.”

Mais conteúdo sobre:

Paulo Maluf