Maioria da Assembleia é próxima de Picciani, Melo e Albertassi, ‘mas haverá grande pressão popular’, diz oposição

Maioria da Assembleia é próxima de Picciani, Melo e Albertassi, ‘mas haverá grande pressão popular’, diz oposição

Deputado Eliomar Coelho, do PSOL, prevê que ordem de prisão contra peemedebistas será mantida pela Assembleia Legislativa do Rio

Fabio Grellet/RIO

16 Novembro 2017 | 18h48

Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi. Fotos: Tania Rego/Agência Brasil, Fabio Motta/Estadão e Alerj

O deputado estadual oposicionista Eliomar Coelho (PSOL) reconheceu na tarde desta quinta-feira, 16, que a maioria da Assembleia Legislativa do Rio é aliada dos três deputados peemedebistas que tiveram prisão decretada pelo Tribunal Regional Federal da 2.ª Região (TRF2). A proximidade indica que é grande a chance de os parlamentares revogarem a decisão da Justiça. Mas, segundo o deputado do PSOL, haverá ‘grande pressão popular’ pela manutenção da decisão judicial, que será submetida à apreciação dos parlamentares.

Eliomar comemorou a decisão da Justiça que mandou para a cadeia o presidente da Casa, Jorge Picciani, o ex-presidente Paulo Melo e o presidente da Comissão de Constituição e Justiça, Edson Albertassi, todos do PMDB. “Então, esperamos que essa pressão dê resultado, os deputados percebam que precisam atender à população, e as prisões sejam mantidas”, afirmou.

Para esta sexta-feira, 17, está marcada uma manifestação em frente ao Palácio Tiradentes, sede da Assembleia Legislativa, na Praça XV, no Centro do Rio. Programado para 12h, o ato público vai exigir que os três deputados fiquem presos.

A sessão da Assembleia que vai decidir se mantém ou revoga a prisão deve acontecer a partir das 15h.