1. Usuário
Fausto Macedo
Assine o Estadão
assine
Fausto Macedo

Fausto Macedo

Repórter

EM ALTA

Lula

Lula diz que já falou sobre compra de MPs e pede à Justiça reavaliar novo depoimento

Por Andreza Matais e Fábio Fabrini

22/01/2016, 11h36

   

Ex-presidente informa que se manifestou sobre o suposto esquema de medidas provisórias no início do mês; o petista foi arrolado como testemunha do lobista 'APS' por ter assinado a MP 471

Lula. Foto: AP

Lula. Foto: AP

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva informou à Justiça Federal que ele já se manifestou sobre o suposto esquema de compra de medidas provisórias em depoimento prestado no início do mês ao solicitar que se reavalie a necessidade de ele falar novamente no processo desta vez como testemunha do lobista Alexandre Paes dos Santos (APS), segundo advogados ouvidos pelo Estado. APS é acusado de operar para viabilizar a MP 471 editada pelo então presidente Lula em 2009, o que a defesa nega.

 

O depoimento de Lula está marcado para segunda-feira, 25, na Justiça Federal em Brasília. Ele foi arrolado como testemunha por ter assinado a MP 471 que teria sido comprada por esquema de lobby.

O julgamento dos réus da Operação Zelotes seria iniciado nesta sexta-feira, mas foi cancelado após o advogado de um dos acusados informar que seu cliente não havia sido intimado a depor. O juiz reconheceu o erro e adiou o início do processo para segunda.

O advogado Marcelo Leal, que defende APS, disse que irá analisar o pedido da defesa de Lula para decidir se mantém sua decisão de arrolá-lo como testemunha ou se irá liberar o petista do depoimento. “O juiz abriu prazo para que eu decida. Pretendo me manifestar ainda hoje. Se o depoimento do ex-presidente não me servir vou insistir na oitiva dele. Eu vou brigar por cada centímetro que meu cliente tenha direito”, afirmou Leal, criminalista que atua no escritório Eduardo Ferrão.

Leal afirmou que o fundamento para a prisão do seu cliente é “ridículo” e que até o momento ele não conseguiu que APS tivesse acesso a cópia da defesa. “Levei o processo na Papuda (onde APS esta preso) e os agentes censuraram partes do texto. Tentei novamente que tivessem acesso e a Justiça enviou um CD para meu cliente que esta preso sem acesso a computador. Quando finalmente um computador foi disponibilizado soube-se que o CD tinha apenas parte da defesa.”

 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.