Lula cita Janot e Miller para atacar MPF: ‘eles querem tentar transformar o Lula no power point deles’

Julia Affonso, Fausto Macedo, Ricardo Brandt, Ricardo Galhardo, Elisa Clivery e Francisco Carlos de Assis

13 Setembro 2017 | 18h20

Lula. Foto: Reprodução

Em um dos pontos de irritação de Luiz Inácio Lula da Silva no segundo interrogatório como réu da Lava Jato, ao juiz federal Sérgio Moro, o ex-presidente citou o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, o ex-procurador Marcelo Miller, pivô do escândalo da delação da JBS, para atacar o Ministério Público Federal.

Lula foi ouvido nesta quarta-feira, 13, em ação em que é acusado de receber propina da Odebrecht em um terreno para o Instituto Lula e um apartamento em São Bernardo do Campo.

VEJA O INTERROGATÓRIO DE LULA


“O Ministério Público é muito engraçado. Graças a deus, como deus escreve certo por linhas tortas, as coisas estão virando verdadeiras. Nós estamos vendo o que está acontecendo com o Janot, estamos vendo o que está acontecendo com o Miller e a força-tarefa da Lava Jato aqui em Brasília (Curitiba) está tratando de forma a destruir o Ministério Público contando inverdades”, disse Lula.

Segundo ele, os procuradores invenaram que o triplex era meu, porque O Globo disse, e não é, e o senhor sabe disso”. “Eles agora invengtaram que o apartamento é meu, e não é, e eles sabem disso. Como inventaram a história do sítio, que é meu, e não é. Ou seja, três denúncias do Ministério Público por ilação.”

Lula afirmou que o MPF “tem a ideia de tentar transformar o Lula no power point deles”. (Ouça aos 21min29s)

Lula afirmou que quando o procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, apresentou o “power point” que o colocava no centro da organização criminosa acusada de corrupção na Petrobrás, ele mostrou “uma peça de ficção que se transformou na nave-mãe dos processos contra mim”.

“Contaram uma inverdade deslavada e submeteram à imprensa, para poder continuar contando inverdade, e a imprensa tentar transformar em verdade, inventaram também essa história desse prédio”, disse Lula a Moro. Era o imóvel de R$ 12 milhões que seria doado pela Odebrecht, como propina.

O ex-presidente disse que quer enfrentar a força-tarefa para provar a inocência dele. “Só espero que eles tenham a grandeza de um dia me pedir desculpas. Só não sei se o senhor Miller vai pedir desculpa pela palhaçada que foi feita em Brasília com o Joesley em Brasília e que agora está sendo desmontada.”