Liminar bloqueia R$ 15 milhões de Uebe Rezeck e mais 11 por improbidade na construção de ramal ferroviário

Liminar bloqueia R$ 15 milhões de Uebe Rezeck e mais 11 por improbidade na construção de ramal ferroviário

Ex-deputado do PMDB é acusado de 'grande prejuízo ao erário' quando era prefeito de Barretos, interior de São Paulo, em 1999; ação envolve ex-secretários municipais, ex-funcionários do DNIT e empresários

Fausto Macedo e Julia Affonso

20 Dezembro 2016 | 07h00

Uebe Rezeck

Uebe Rezeck

A pedido do Ministério Público Federal em Barretos (SP), a Justiça determinou o bloqueio de R$ 14,9 milhões do ex-prefeito da cidade, Uebe Rezeck – ex-deputado estadual pelo PMDB -, dos ex-secretários municipais João Carlos Guimarães e José Domingos Ucati, de cinco ex-funcionários do DNIT, de quatro construtoras e seus representantes legais. Todos são acusados de improbidade na construção do Contorno Ferroviário de Barretos.

As informações foram divulgadas nesta segunda-feira, 19, pela Assessoria de Comunicação da Procuradoria da República em São Paulo.

(O número processual é 0001329-82.2016.4.03.6138. A tramitação pode ser consultada em http://www.jfsp.jus.br/foruns-federais/.)

A autora da ação é a procuradora da República Sabrina Menegário.

Segundo a ação, o Contorno Ferroviário de Barretos, com 12,2 quilômetros de extensão, tinha por objetivo eliminar o conflito e a interferência da linha férrea no tráfego do centro da cidade.

A obra foi dividida em quatro lotes. Em 1999, época em que Uebe Rezeck era prefeito, João Carlos Guimarães secretário de finanças e José Domingos Ducati secretário de Obras do município, foi aberta licitação para a contratação de empresas para a execução dos quatro lotes do empreendimento.

Na documentação do processo, constava como fonte de recursos única e exclusivamente a Secretaria de Obras e Serviços Urbanos de Barretos, que, segundo os gestores municipais, dispunha à época de R$ 1,1 milhões.

Segundo a ação do Ministério Público Federal, a licitação resultou na contratação de quatro empresas, uma para cada lote, com previsão de execução da obra em 12 meses. No entanto, os preços fixados na contratação das vencedoras da licitação somaram R$ 10,29 milhões, valor muito acima do que dispunha a secretaria, ‘o que já era irregular, visto que toda licitação deve contar com previsão de dotação orçamentária capaz de assegurar o pagamento das obras e serviços’.

Para obter os recursos necessários, a prefeitura firmou, em dezembro de 1999, convênio com o Ministério dos Transportes que, após quatro termos aditivos, fixou o valor total de R$ 5,69 milhões para a execução dos lotes 1 e 2, com finalização prevista para dezembro de 2002.

“Novamente, a prefeitura se comprometeu com recursos que não tinha, já que sua contrapartida neste convênio, que previa apenas dois dos quatro lotes, ultrapassaria os R$ 1,1 milhões que possuía para os quatro lotes”, sustenta a Procuradoria da República.

“Ainda assim, não visando a finalização dos lotes 1 e 2, mas para dar início aos lotes 3 e 4, a prefeitura de Barretos solicitou a celebração de novo convênio com o DNIT, em novembro de 2002”, segue o Ministério Público Federal. “Este novo acordo previa um valor total de R$ 6,9 milhões, com contrapartida do município de R$ 1,38 milhões.”

O valor deste plano de trabalho, aprovado pelo DNIT, também era diferente do valor licitado contratado para a execução dos lotes 3 e 4. “Mas, diferentemente do plano de trabalho apresentado, e também diferente do valor já contratado, em dezembro de 2002, o convênio foi firmado no valor total de R$ 1,5 milhões, valor insuficiente para a execução das obras.”

Segundo a Procuradoria, ’em nenhuma cláusula do convênio havia previsão de que a diferença dos valores seria subsidiada com outras fontes, ou que o mesmo executaria apenas partes dos serviços necessários para a implantação dos lotes 3 e 4, que também nunca foram finalizados’.

Apesar de todo o valor investido, o Contorno Ferroviário está inacabado. Pouco após o término da vigência do segundo convênio, em 2008, o próprio DNIT solicitou a elaboração de projeto executivo para a recuperação da ferrovia, ‘face às péssimas condições do que foi construído, inclusive com estado avançado de erosão’.

Nova licitação foi realizada em 2010 para a recuperação e complementação do Contorno Ferroviário, com orçamento base de R$ 16,27 milhões. “Este fato chamou atenção do Tribunal de Contas da União, que instaurou processo para avaliar a legalidade, conformidade e economicidade das obras complementares do contorno, constatando que esta nova contratação, na verdade, faria a reconstrução total da obra, que não havia sido concluída com os recursos dos convênios de 1999 e de 2002, mesmo o DNIT e o Ministério dos Transportes terem aprovado suas contas, de forma ilícita’.

A ação de improbidade ajuizada pelo Ministério Público Federal mostra que ‘ocorreu a imobilização de capital público vultoso que não serviu para nenhuma finalidade’.

Segundo a Procuradoria, ‘atualmente há necessidade de novo investimento, inclusive maior ainda, para a efetiva implantação do Contorno Ferroviário’.

“Para tanto, o ex-prefeito e ex-secretários de Barretos, bem como os responsáveis no DNIT, praticaram atos que causaram grande prejuízo ao erário, ao promover a construção de obra sem previsão de recursos suficientes e sem a fiscalização adequada. Assim como as empreiteiras contratadas tiveram enriquecimento ilícito ao incorporar os recursos públicos aos seus patrimônios, sem sequer finalizar a obra.”

Pedidos – Além da indisponibilidade dos bens no total do ‘dano causado ao erário’, R$ 14,9 milhões, já decretada pela Justiça, o Ministério Público Federal pede a condenação dos reús por improbidade, com consequente ressarcimento integral do prejuízo.

COM A PALAVRA, UEBE REZECK

“A prefeitura de Barretos, buscando solucionar um problema grave que atravancava toda a cidade com o traçado da antiga ferrovia cortando ruas e avenidas em mais de três pontos em cada via pública, aceitou o desafio de construir um novo traçado para a ferrovia permutando-o pelo velho. Tendo que negociar inicialmente com a Fepasa, depois com a rede ferroviária e, finalmente com o Ministério dos Transportes, que sucessivamente foram detentores do antigo traçado, concluímos a obra. A mesma foi testada exaustivamente pela rede ferroviária com uma máquina passando pelo novo traçado a mais de 100 quilômetros por hora. A obra foi entregue pela prefeitura e recebida pela rede e Ministério. A permuta foi concluída. A safra de soja estocada nos silos da Coopercitrus foi retirada pelos comboios ferroviários com mais de vinte vagões com uma locomotiva na frente e outra atrás. Toda a obra com aterros de até oito metros e cortes de sete foi realizada com aproximadamente doze milhões de reais, menos, mais muito menos de um décimo do preço praticado no mercado. Não nos entregaram os dormentes prometidos e a prefeitura teve que comprar. Não nos entregaram os trilhos prometidos e, num esforço hercúleo, fomos retirando trilhos do traçado antigo e aplicando no novo, Trabalhamos dia e noite. Perdoem-me a falta de modéstia, mas o que fizemos deveria ser divulgado para servir de exemplo às administrações e, depois de mais de 13 anos da obra concluída e entregue, somos surpreendidos por essa noticia. Como se originou isso? Um vereador de Barretos, do PL, do mesmo partido do Ministro dos Transportes, resolveu pedir uma verba, dizendo que era para corrigir defeitos na saia do aterro. Na verdade as intenções eram outras, e se tivesse algum problema na saia do aterro a ser corrigido caberia única e exclusivamente a empresa ALL que assumiu a ferrovia e a abandonou para se dedicar a trechos mais rentáveis. O que digo está estampado no jornal de Barretos da época, inclusive com o presidente Michel Temer e o ex-governador Orestes Quercia na frente da máquina no dia da inauguração do novo traçado. As reportagens e as fotos, inclusive das composições ferroviárias retirando a safra de soja, também estão estampadas nos jornais da época. Infelizmente, esse não é um País sério.”

Mais conteúdo sobre:

Uebe RezeckBarretos