1. Usuário
Fausto Macedo
Assine o Estadão
assine
Fausto Macedo

Fausto Macedo

Repórter

EM ALTA

Marcelo Odebrecht

Lewandowski nega pedido de liberdade de Marcelo Odebrecht

Por Gustavo Aguiar

08/01/2016, 21h43

   

O ex-presidente da empreiteira Odebrecht está preso desde 19 de junho no âmbito da Lava Jato

Marcelo Odebrecht está preso desde junho em Curitiba. Foto: Félix R/Futura Press

Marcelo Odebrecht está preso desde junho em Curitiba. Foto: Félix R/Futura Press

O ministro presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, negou nesta sexta-feira, 8, o pedido de liberdade de Marcelo Odebrecht, ex-presidente da empreiteira Odebrecht preso no âmbito da Lava Jato. O pedido de habeas corpus foi impetrado pela defesa do empresário em dezembro, logo depois da decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) em mantê-lo preso.

De acordo com Lewandowski, responsável pelo plantão do Supremo durante o recesso, não há ilegalidade flagrante na prisão de Odebrecht. O ministro cita um laudo da Procuradoria-Geral da República (PGR) que diz que se for solto, o empresário poderá continuar a obstruir as investigações da Operação Lava Jato.

No mês passado, o STJ rejeitou, em decisão colegiada, o mesmo pedido e, por isso, a defesa do empresário recorreu ao STF. Odebrecht está preso desde 19 de junho, quando foi deflagrada a Operação Erga Omnes, um desdobramento da Lava Jato que alcançou as maiores empreiteiras do País.

O juiz federal Sérgio Moro decretou a prisão de Odebrecht por três vezes. Ele foi denunciado por fraude em licitação, corrupção passiva e ativa, lavagem de dinheiro e formação de cartel. Uma das ordem de Moro acata a denúncia a PGR que acusa o empresário de pagar R$ 137 milhões em oito contratos da Petrobrás, entre 2004 e 2011.

Em outubro passado, o ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo, já havia negado um primeiro pedido de liberdade em favor do ex-presidente da empreiteira. Na época, a defesa pedia que o benefício concedido a Alexandrino Alencar – um executivo da construtora preso na Lava Jato – fosse estendido a Odebrecht, hipótese que foi rejeitada pelo ministro.

A Odebrecht nega envolvimento no esquema investigado pela Lava Jato.

 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.