Leia três depoimentos de Fernando Baiano, o delator de Eduardo Cunha

Leia três depoimentos de Fernando Baiano, o delator de Eduardo Cunha

Apontado como operador de propinas do PMDB citou outros nomes do partido como supostos beneficiários de valores ilícitos do esquema de corrupção na Petrobrás

Redação

17 Outubro 2015 | 11h18

Fernando Baiano faz exame de corpo de delito em Curitiba, na época de sua prisão, em novembro de 2014. Foto: Geraldo Bubniak/AGB

Fernando Baiano foi preso em novembro de 2014. Foto: Geraldo Bubniak/AGB

O lobista Fernando ‘Baiano’ Soares é apontado como operador de propinas do PMDB. Em delação premiada fechada com a Procuradoria-Geral da República, Baiano citou outros nomes do partido como supostos beneficiários de valores ilícitos do esquema de corrupção na Petrobrás.

Baiano está preso desde novembro de 2014. Ele já foi condenado a 16 anos de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro no esquema de corrupção instalado na Petrobrás.