Lava Jato está em ‘boas mãos’ com Raquel Dodge, diz Marco Aurélio

Lava Jato está em ‘boas mãos’ com Raquel Dodge, diz Marco Aurélio

Ministro do Supremo Tribunal Federal avalia que a sucessora de Rodrigo Janot no comando da Procuradoria-Geral da República 'é uma pessoa que tem os olhos voltados para os interesses nacionais permanentes'

Rafael Moraes Moura, Breno Pires e Beatriz Bulla/BRASÍLIA

15 Setembro 2017 | 11h44

Raquel Dodge. Foto: Dida Sampaio/Estadão

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse que a Operação Lava Jato está em ‘boas mãos’, com a troca no comando da Procuradoria-Geral da República.

O atual procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deixa o cargo domingo, 17. Será sucedido por Raquel Dodge, que tomará posse na manhã da próxima segunda, 18.

“A alternância (de comando) é sempre salutar. Ela (Raquel) é republicana, ela é democrática. E nós temos quadros excepcionais no Ministério Público Federal. A doutora Raquel é uma pessoa aplicada, é uma pessoa que tem os olhos voltados para os interesses nacionais permanentes”, comentou Marco Aurélio nesta quinta-feira, 14.

“Eu confio no trabalho a ser desenvolvido, confio na seriedade de propósitos da futura procuradora-geral da República e como outros procuradores, inclusive o atual, ela honrará a instituição”, completou o ministro.

Questionado pelo Broadcast Político se a Lava Jato está em ‘boas mãos’, Marco Aurélio Mello respondeu: “Está em boas mãos a Lava Jato, porque a Lava Jato não se resume apenas a atuação do procurador-geral da República. Evidentemente nós temos instituições com diversos integrantes envolvidos nessa operação, visando dias melhores no Brasil.”

Mais conteúdo sobre:

operação Lava Jato