Lava Jato deixa de fora caso Celso Daniel

Lava Jato deixa de fora caso Celso Daniel

MPF não inclui na denúncia contra Ronan suposto crime de extorsão ligado à morte de ex-prefeito de Santo André

Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba

07 Maio 2016 | 07h30

PR - LAVA JATO/FORÇA-TAREFA/DENÚNCIA - POLÍTICA - O procurador da República Deltan Dallagnol fala durante coletiva da operação Lava Jato e   oferecimento de novas denúncias pelo Ministério Público Federal (MPF), em Curitiba, nesta   sexta-feira (6). Em uma das denúncias, entre os novos acusados por corrupção, lavagem de   dinheiro, organização criminosa e obstrução à investigação, além do ex-senador Gim   Argello, estão os empreiteiros Marcelo Odebrecht, Ricardo Pessoa e Léo Pinheiro e outros   seis investigados.   16/05/2014 - Foto: GERALDO BUBNIAK/AGB/PAGOS

O procurador da República Deltan Dallagnol fala durante coletiva da operação Lava Jato. Foto: GERALDO BUBNIAK/AGB

A Procuradoria da República deixou de incluir na denúncia contra o empresário Ronan Maria Pinto o suposto crime de extorsão como origem dos pagamentos que totalizaram R$ 6 milhões feitos pelo PT. As suspeitas, registradas na acusação, são de que o empresário teria ameaçado acusar publicamente membros da cúpula do partido, como o ex-presidente Lula e o ex-ministro José Dirceu, no assassinato do prefeito de Santo André Celso Daniel (PT), em 2002.

O caso foi apurado pela Justiça de São Paulo, mas o julgamento dos acusados ainda não terminou. Para evitar o escândalo, o partido teria usado pecuarista José Carlos Bumlai para fazer o empréstimo e repassar de maneira simulada os valores para Ronan Maria Pinto, em troca do seu silêncio.

Nessa nova investigação, o MPF não conseguiu encontrar indícios que ligassem o empréstimo com a morte de Celso Daniel, ligando o caso da Lava Jato com a morte do prefeito. “Ainda pende a certeza sobre as razões do pagamento” afirmou o procurador da República Diogo Castor de Mattos.


O MPF deixou, assim, de denunciar extorsão. “É prematura se ter uma afirmação conclusiva de que essa extorsão existiu e os motivos dela.” Quando foi deflagrada em 1.º de abril, o procurador afirmou que “até o final da investigação” a Lava jato pretendia descobrir “a razão pela qual Ronan recebeu esses valores”.

Sem elementos concretos para apontar o motivo, a Procuradoria decidiu nesse primeiro momento denunciar apenas o crime de lavagem de dinheiro relacionado ao empréstimo.

Valério. Conforme o Estado revelou em 2012, o operador do mensalão Marcos Valério afirmou em depoimento ao Ministério Público Federal que o PT teria pedido a ele que providenciasse R$ 6 milhões para destinar a Ronan Maria Pinto.

Segundo Valério, o empresário estaria chantageando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o então secretário da Presidência, Gilberto Carvalho, e o ex-ministro José Dirceu. Ele teria informações comprometedoras a revelar sobre a morte de Celso Daniel.

O procurador da Lava Jato afirmou nesta sexta-feira que tem feito intercâmbio de informações com o Ministério Público Estadual de São Paulo, que investigou o assassinado de Daniel, para auxiliar nas investigações sobre os motivos do pagamento que estão em aberto.

Em depoimento à Lava Jato, Ronan Maria Pinto diz desconhecer a origem do dinheiro e que ele foi emprestado por ele, dentro de operações legais.

Citado pelo MPF no pedido de prisão de Ronan Maria Pinto como um dos motivos que justificaria o pagamento a ele pelo PT, o assassinato de Daniel foi incluído na decisão do juiz federal Sérgio Moro, quando autorizou a deflagração da Operação Carbono 14. “É ainda possível que este esquema criminoso tenha alguma relação com o homicídio, em janeiro de 2002, do então Prefeito de Santo André, Celso Daniel, o que é ainda mais grave”, escreve Moro.

O magistrado citou depoimento prestado pelo irmão de Celso Daniel, Bruno José Daniel, ouvido pelos procuradores da Lava Jato em janeiro. “Relatou em síntese que, após o homicídio, lhe foi relatada a existência desse esquema criminoso e que envolvia repasses de parte dos valores da extorsão ao Partido dos Trabalhadores. O fato lhe teria sido relatado por Gilberto Carvalho e por Miriam Belchior. O destinatário dos valores devidos ao Partido dos Trabalhadores seria José Dirceu de Oliveira e Silva”, registra Moro.

“Levantou (o irmão de Celso Daniel) suspeitas ainda sobre o possível envolvimento de Sergio Gomes da Silva no homicídio do irmão. Declarou não ter conhecimento do envolvimento de Ronan Maria Pinto no episódio ou de extorsão por ele praticada contra o Partido dos Trabalhadores.”

Ronan Maria Pinto disse à PF que não conhece o operador de mensalão Marcos Valério. “Não é verdade a afirmação de Marcos Valério de que o depoente tinha interesse na compra o jornal Diário do Grande ABC, por conta de notícias que o vinculavam a morte do prefeito Celso Daniel”, relatou o empresário. “Sobre seu conhecimento a respeito do esquema de corrupção no sistema de transportes na Prefeitura de Santo André, disse que nunca praticou atos de corrupção.”

Mais conteúdo sobre:

Celso Danieloperação Lava Jato