Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Política

Politica » Lava Jato deixa de fora caso Celso Daniel

Política

Lava Jato deixa de fora caso Celso Daniel

Politica

CELSO DANIEL

Lava Jato deixa de fora caso Celso Daniel

MPF não inclui na denúncia contra Ronan suposto crime de extorsão ligado à morte de ex-prefeito de Santo André

0

Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba

07 Maio 2016 | 07h30

PR - LAVA JATO/FORÇA-TAREFA/DENÚNCIA - POLÍTICA - O procurador da República Deltan Dallagnol fala durante coletiva da operação Lava Jato e   oferecimento de novas denúncias pelo Ministério Público Federal (MPF), em Curitiba, nesta   sexta-feira (6). Em uma das denúncias, entre os novos acusados por corrupção, lavagem de   dinheiro, organização criminosa e obstrução à investigação, além do ex-senador Gim   Argello, estão os empreiteiros Marcelo Odebrecht, Ricardo Pessoa e Léo Pinheiro e outros   seis investigados.   16/05/2014 - Foto: GERALDO BUBNIAK/AGB/PAGOS

O procurador da República Deltan Dallagnol fala durante coletiva da operação Lava Jato. Foto: GERALDO BUBNIAK/AGB

A Procuradoria da República deixou de incluir na denúncia contra o empresário Ronan Maria Pinto o suposto crime de extorsão como origem dos pagamentos que totalizaram R$ 6 milhões feitos pelo PT. As suspeitas, registradas na acusação, são de que o empresário teria ameaçado acusar publicamente membros da cúpula do partido, como o ex-presidente Lula e o ex-ministro José Dirceu, no assassinato do prefeito de Santo André Celso Daniel (PT), em 2002.

O caso foi apurado pela Justiça de São Paulo, mas o julgamento dos acusados ainda não terminou. Para evitar o escândalo, o partido teria usado pecuarista José Carlos Bumlai para fazer o empréstimo e repassar de maneira simulada os valores para Ronan Maria Pinto, em troca do seu silêncio.

Nessa nova investigação, o MPF não conseguiu encontrar indícios que ligassem o empréstimo com a morte de Celso Daniel, ligando o caso da Lava Jato com a morte do prefeito. “Ainda pende a certeza sobre as razões do pagamento” afirmou o procurador da República Diogo Castor de Mattos.

O MPF deixou, assim, de denunciar extorsão. “É prematura se ter uma afirmação conclusiva de que essa extorsão existiu e os motivos dela.” Quando foi deflagrada em 1.º de abril, o procurador afirmou que “até o final da investigação” a Lava jato pretendia descobrir “a razão pela qual Ronan recebeu esses valores”.

Sem elementos concretos para apontar o motivo, a Procuradoria decidiu nesse primeiro momento denunciar apenas o crime de lavagem de dinheiro relacionado ao empréstimo.

Valério. Conforme o Estado revelou em 2012, o operador do mensalão Marcos Valério afirmou em depoimento ao Ministério Público Federal que o PT teria pedido a ele que providenciasse R$ 6 milhões para destinar a Ronan Maria Pinto.

Segundo Valério, o empresário estaria chantageando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o então secretário da Presidência, Gilberto Carvalho, e o ex-ministro José Dirceu. Ele teria informações comprometedoras a revelar sobre a morte de Celso Daniel.

O procurador da Lava Jato afirmou nesta sexta-feira que tem feito intercâmbio de informações com o Ministério Público Estadual de São Paulo, que investigou o assassinado de Daniel, para auxiliar nas investigações sobre os motivos do pagamento que estão em aberto.

Em depoimento à Lava Jato, Ronan Maria Pinto diz desconhecer a origem do dinheiro e que ele foi emprestado por ele, dentro de operações legais.

Citado pelo MPF no pedido de prisão de Ronan Maria Pinto como um dos motivos que justificaria o pagamento a ele pelo PT, o assassinato de Daniel foi incluído na decisão do juiz federal Sérgio Moro, quando autorizou a deflagração da Operação Carbono 14. “É ainda possível que este esquema criminoso tenha alguma relação com o homicídio, em janeiro de 2002, do então Prefeito de Santo André, Celso Daniel, o que é ainda mais grave”, escreve Moro.

O magistrado citou depoimento prestado pelo irmão de Celso Daniel, Bruno José Daniel, ouvido pelos procuradores da Lava Jato em janeiro. “Relatou em síntese que, após o homicídio, lhe foi relatada a existência desse esquema criminoso e que envolvia repasses de parte dos valores da extorsão ao Partido dos Trabalhadores. O fato lhe teria sido relatado por Gilberto Carvalho e por Miriam Belchior. O destinatário dos valores devidos ao Partido dos Trabalhadores seria José Dirceu de Oliveira e Silva”, registra Moro.

“Levantou (o irmão de Celso Daniel) suspeitas ainda sobre o possível envolvimento de Sergio Gomes da Silva no homicídio do irmão. Declarou não ter conhecimento do envolvimento de Ronan Maria Pinto no episódio ou de extorsão por ele praticada contra o Partido dos Trabalhadores.”

Ronan Maria Pinto disse à PF que não conhece o operador de mensalão Marcos Valério. “Não é verdade a afirmação de Marcos Valério de que o depoente tinha interesse na compra o jornal Diário do Grande ABC, por conta de notícias que o vinculavam a morte do prefeito Celso Daniel”, relatou o empresário. “Sobre seu conhecimento a respeito do esquema de corrupção no sistema de transportes na Prefeitura de Santo André, disse que nunca praticou atos de corrupção.”

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentarios