1. Usuário
Fausto Macedo
Assine o Estadão
assine
Fausto Macedo

Fausto Macedo

Repórter

EM ALTA

Cartel De Trens

Justiça rejeita pela 11ª vez pedido de prisão de executivos investigados por cartel em SP

Por Mateus Coutinho

29/03/2016, 11h16

   

Com a decisão desta semana, todos os pedidos de prisão preventiva feitos até agora nas investigações foram rejeitados; empresários possuem nacionalidade estrangeira e seguem morando fora do Brasil

carteltrenshelvioromero

Metrô em São Paulo. Foto: Estadão

A Justiça de São Paulo negou nesta segunda-feira, 28, pela 11ª vez, o pedido de prisão preventiva de executivos acusados de envolvimento com o esquema de cartel e fraude às licitações do sistema metroferroviário nos governos do PSDB em São Paulo, entre 1999 e 2009.

Na decisão em que aceitou a denúncia contra sete executivos acusados de fraudar uma PPP da CPTM de R$ 1,8 bilhão em 2009, no governo José Serra (PSDB) , a juíza Roseane Cristina de Aguiar, da 28ª Vara Criminal da capital,  entendeu que o fato de os réus Cesar Ponce de Leon, que ocupou no Brasil a direção da Alstom, e Antonio Oporto Del Omo, ex-presidente da multinacional na Espanha, residirem no exterior não significa que eles vão frustrar o cumprimento da lei. O Ministério Público de São Paulo pediu a prisão dos dois ao oferecer a denúncia no começo de março.

“Não obstante a gravidade das imputações, não há qualquer evidência de que soltos, os denunciados Cesar Ponce de Leon e Antonio Oporto Del Omo poderão comprometer a ordem econômica ou frustrar a aplicação da lei penal”, assinalou a magistrada ao aceitar a denúncia contra cinco executivos ligados à Alstom e dois da CAF apresentada no começo de março.

Documento

Os executivos são acusados de fraude e cartel na PPP de R$ 1,8 bilhão de 2009. A parceria previa a aquisição de 288 trens para a frota da linha 8 – Diamante da CPTM, além da responsabilidade de realizar por 20 anos a manutenção preventiva, corretiva e revisão geral da frota.

Como revelou o Estado, há dois anos o Grupo de Atuação Especial de Combate a Delitos Econômicos (Gedec) do Ministério Público de São Paulo tenta deter, sem sucesso, 11 executivos acusados de envolvimento com o cartel e que moram no exterior. Com a decisão desta semana, todos os pedidos de prisão preventiva feitos até agora foram rejeitados e os 11, que possuem nacionalidade estrangeira, seguem morando fora do Brasil.

No caso de Cesar Ponce de Leon, já é a segunda vez que a Justiça nega sua prisão. Desde junho do ano passado ele já é réu na Justiça paulista, acusado também por suspeita de participar da fraude na licitação de 98 trens das linhas 1 e 3 do Metrô. Naquela ocasião, O Ministério Público também pediu a prisão do executivo, que possui nacionalidade espanhola e não foi localizado ao longo da investigação do Ministério Público.

A defesa de Leon informou na época que ele estaria na Espanha. A juíza responsável por aquela ação, Cynthia Maria Sabino Bezerra da Silva, da 8ª Vara Criminal da Barra Funda, negou o pedido e apontou que o fato de o executivo possuir nacionalidade estrangeira e estar no exterior “por si só não traz a presunção absoluta de que pretenda frustrar a aplicação da lei penal”.

Como tem ocorrido desde o início das investigações do cartel levadas a cabo pelo promotor Marcelo Mendroni, responsável pelas apurações que envolvem crimes financeiros dos empresários acusados de participar do esquema, o Ministério Público tenta deter os investigados que não são localizados ao longo dos procedimentos investigativos.

COM A PALAVRA, A CAF:

“A CAF reafirma que tem colaborado com as autoridades no fornecimento de todas as informações, e que atua estritamente dentro da legislação brasileira.”

COM A PALAVRA, A DEFESA DE CESAR PONCE E ANTONIO OPORTO:

O criminalista Guilherme San Juan, que defende Cesar Ponce de Leon e Antonio Oporto Del Omo, ressaltou que a juíza rejeitou o pedido de prisão dos executivos após um pedido da defesa e disse que seus clientes “são inocentes das imputações e vão comprovar os fatos ao longo da instrução penal”. Os dois executivos seguem residindo no exterior e, segundo o advogado, estão à disposição da Justiça.

COM A PALAVRA, A ALSTOM:

“A referida decisão é de uma ação que tem como parte apenas pessoas físicas. A Alstom acompanha o desenrolar do processo e irá colaborar com as autoridades quando solicitada. A empresa, como sempre indicou, opera de acordo com um código de ética e com todas as leis e regulamentos dos países onde atua. A prática de cartel ou de qualquer concorrência desleal não é permitido pelas regras da Alstom.”

 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.